Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
auxiliar de classe

Depois de matéria da Folha, auxiliar de classe é readmitida na escola Alfredo Castro

Notícia é comemorada por família de adolescente com déficit de atenção

22 julho 2016 - 11h38Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Depois de matéria da Folha, auxiliar de classe é readmitida na escola Alfredo Castro

Ao menos um entre os inúmeros dramas vividos por quem tem algum envolvimento com a Educação de Cabo Frio, hoje em dia, terminou com final feliz. Na verdade dois finais felizes, porque desde anteontem a auxiliar de classe Cláudia Cordeiro voltou a trabalhar na Escola Municipal Alfredo Castro, no Jardim Caiçara, após ser exonerada junto com vários de seus colegas no começo do mês.

Com isso, o sorriso voltou ao rosto da dona de casa Marileide Ferreira da Silva, de 46 anos, e do seu filho, João Pedro, de 15, que tem problemas de déficit de atenção e ficava sob a responsabilidade de Cláudia até a demissão da auxiliar. A história foi contada em matéria da Folha publicada na edição do último dia 8. Com a saída da profissional, que recebe R$ 800, as rotinas do jovem e de sua mãe ficaram bastante abaladas, pois o garoto, com problemas nervosos, necessita de supervisão em tempo integral. Mas com a reintegração, os problemas ficaram no passado.

– Ela (Cláudia) que me ligou para dizer que tinha sido chamada de volta. O João Pedro estava muito desanimado e chegou a faltar alguns dias de aula. Ele ficou tão feliz que abriu um sorrisão quando soube da notícia. Ele agora está se sentindo muito mais seguro e com muito mais vontade de ir à escola. Hoje (ontem), ele foi à aula numa alegria só – disse, radiante.

Mas até o retorno da auxiliar, o caminho não foi nada fácil. Após a matéria da Folha, Marileide peregrinou por programas de rádio, além de ir pelo menos três vezes à Secretaria de Educação. Com a dificuldade, ele chegou a recorrer ao Ministério Público e à Defensoria Pública, mas a ação judicial não foi adiante.

– Na terceira vez que eu fui à secretaria, cheguei a chorar de raiva. Levei todos os laudos dele. Mas depois mudaram a pessoa que estava cuidando disso – confirma Marileide, que está desempregada.

Apesar do desfecho favorável para Cláudia, Marileide e João Pedro, dezenas de auxiliares continuam sem trabalhar, segundo o Sindicato dos Profissionais de Educação (Sepe). Também foram dispensados auxiliares de serviço gerais, merendeiras, inspetores e pessoal de apoio.