Assine Já
quarta, 20 de outubro de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MUDANÇA

Denúncia de falta de EPI leva à demissão de diretores do Hospital São José Operário

Secretário de Saúde Iranildo Campos afirma que episódio foi ‘estopim’ para saída de trio de gestores

04 maio 2020 - 15h58Por Rodrigo Branco

O secretário de Saúde de Cabo Frio, Iranildo Campos, destituiu o trio de diretores do Hospital Municipal São José Operário, na manhã desta segunda-feira (4). A unidade é onde trabalha a funcionária Marilene Viana que, na última sexta-feira (1º) postou nas redes sociais uma denúncia de falta de máscaras para trabalho no local.

Iranildo confirmou a exoneração para reportagem da Folha, mas disse que o episódio das máscaras não foi o fator isolado para a saída dos diretores. O secretário relata que, na própria sexta, esteve no hospital por volta das 20h para questionar a respeito da situação da falta de máscaras, mas não encontrou nenhum dos diretores. O fato teria sido a ‘gota d’água’ para  saída do trio que, de acordo com Iranildo, também vinha sendo alvo de reclamação de colegas de outras unidades.

– Vários diretores reclamaram dos três. Tinha problemas de vagas para internação, de transferência. Ou eles estavam certos ou todos os outros que reclamavam deles que estavam. Como vou conviver com isso? Mas um deles já me perguntou se pode continuar como médico. Todos eles podem. A gente não vai perder os funcionários. Eles só não vão continuar a trabalhar como diretores – explica o secretário, que já colocou uma direção interina na unidade.

Atenção: A reprodução deste conteúdo em outros veículos de comunicação e/ou para fins comerciais não é permitida. Para produzi-lo, a Folha dos Lagos investe recursos em estrutura e jornalismo. Por favor, entre em contato: [email protected]

 

Outro ponto questionado por Iranildo foi o fato de Marilene ter dito no vídeo que as máscaras usadas pelos funcionários terem sido doadas. O secretário disse que vai cobrar esclarecimentos sobre a situação pois, segundo ele, doações de máscaras e equipamentos diretamente para as unidades, sem passara pelo almoxarifado, estão proibidas.

– Meu diretor da UPA de Tamoios, que está funcionando no hospital me ligou dizendo que queriam fazer doação de máscaras e eu não permiti. Não autorizo doações sem que passem pelo almoxarifado. No almoxarifado, é que vão ver se a doação é compatível com as normas, se o material está aprovado pela Anvisa – explicou.

Até o fechamento desta reportagem, o secretário não havia se encontrado com a funcionária que fez as denúncias, mas ele afirmou que está à disposição para que lhe apontem falhas no setor. Iranildo afirmou que foi montada uma comissão de cinco funcionários para levantar as carências na rede municipal.

– Eu quero até agradecer a ela [Marilene]. Só consigo achar esses problemas se tiver ajuda. Quero ouvir os funcionários. As pessoas não querem falar, só criticar – finalizou.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.