Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
NO CHÃO

Demolição do Galpão de Sal surpreende e gera indignação em Cabo Frio

Derrubada foi consumada mesmo sem deliberação definitiva do Conselho de Patrimônio

27 julho 2021 - 21h30Por Redação

Depois de quatro anos de muitos debates e discussões, foi ao chão o que restava da estrutura do antigo Galpão de Sal da Passagem. Sem uma definição por parte do Conselho Municipal de Patrimônio quanto ao destino do imóvel, de propriedade privada, o que restava do conjunto arquitetônico que remete ao período salineiro na cidade acaba de ser demolido. O fato causou comoção entre defensores do patrimônio histórico nesta terça-feira (27).

A demolição da estrutura, cujo pedido consta no processo nº 17.298/2017, foi avaliada pelo prefeito José Bonifácio (PDT) no último dia 14 de julho.  Segundo a Prefeitura, houve apenas permissão para retirada de escombros que havia no local (veja no fim da matéria). No documento, a alegação é de que na área, que fica na Avenida Almirante Barroso, só restavam escombros, partes de paredes e de telhado de pé, “o que em nada contribuirá para a preservação do patrimônio histórico e cultural”, segundo o texto. 

Além disso, o prefeito argumentou que o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan) manifestou o ‘nada a opor’ quanto à demolição e ao estado do imóvel. Desta forma, mesmo sem decisão do Conselho, que tem caráter consultivo, a autorização para o imóvel fosse demolido foi dada.

“Percebe-se que o objeto principal do processo já se perdeu, sem que houvesse deliberação do CMUPAC e ação por parte de outro órgão ou entidade competente”, diz o documento.

Sem uma definição sobre a restauração ou demolição do galpão, a estrutura se deteriorou nos últimos anos, a ponto de haver uma demolição de parte da estrutura, em fevereiro do ano passado.  À época, a Defesa Civil descartou a possibilidade de derrubada proposital e a Polícia Civil chegou a abrir inquérito para investigar o caso. A Folha tenta contato com a autoridade policial para saber a conclusão do inquérito.

Agora com o galpão no chão, muitos temem que a área, que tem saída para o Canal do Itajuru, seja alvo da especulação imobiliária. Em suas redes sociais, o historiador João Christóvão, que defendia a preservação do conjunto lamentou a decisão de demolir o imóvel.

“A destruição de mais esse espaço é apenas o retrato tétrico de uma cidade que resiste apesar das sucessivas administrações e de uma elite econômica especulativa que suga seus parcos recursos em benefício próprio. A cidade resiste, mas fica cada vez mais feia na medida que espaços importantes para contar sua história vão sendo apagados e o acesso público a áreas privilegiadas seguem sendo privatizados”, escreveu Christóvão, que chegou a defender a preservação do imóvel em uma audiência pública realizada em fevereiro de 2019, na Câmara Municipal.

(*) Atualização feita às 23h: De acordo com a Prefeitura, a permissão não foi para demolição do imóvel e sim para retirada dos escombros e do restante da estrutura, decorrente da queda que ocorreu em fevereiro de 2020.

Lembre AQUI todo o imbróglio envolvendo o Galpão de Sal da Passagem.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.