Assine Já
terça, 22 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43349 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5211 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11551 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Demissões

Campanha começa uma semana depois do recomendado pelo Ministério da Saúde

Campanha começa uma semana depois do recomendado pelo Ministério da Saúde

12 maio 2015 - 09h37

Os reflexos das demissões na Prefeitura de Cabo Frio, indicadas no final de março, atingem agora a secretaria de Saúde da cidade. Por falta de funcionários, a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe, pelo vírus influenza, começou apenas ontem, uma semana depois do indicado pelo Ministério da Saúde, que em todo país iniciou a imunização na última segunda-feira, dia 4.

Ao todo 11 postos não funcionaram por conta destes problemas, segundo informou a secretaria de Saúde. Com a falta de pessoal e de vacinas, as doses em Cabo Frio foram aplicadas apenas no dia 4, mas de terça-feira em diante as unidades não participaram da iniciativa, nem do dia D, ocorrido no último sábado.

Por meio de nota, a pasta informou que “a vacinação contra a gripe precisou ser adiada para hoje (ontem) (11), devido à reforma administrativa. Alguns enfermeiros tiveram que ser remanejados de suas unidades de saúde, e para garantir o melhor funcionamento, a campanha foi adiada em uma semana. A secretaria de Saúde esclarece ainda que o adiamento não vai interferir na vacinação e que, se for necessário, o prazo para o fim da campanha poderá será prorrogado”.

Além das 26 unidades de saúde, a vacinação também acontece na Vila Nova, onde funciona a coordenação do programa Estratégia em Saúde da Família (ESF’s). os postos funcionam em horário comercial, de 8h às 17h. O objetivo da campanha este ano em Cabo Frio é vacinar 43.784 pessoas, o que representa 80% do público-alvo em cada grupo prioritário.

Podem receber a vacina pessoas idosas com 60 anos ou mais de idade; trabalhadores de saúde; os povos indígenas; crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos de idade (quatro anos, 11 meses e 29 dias); as gestantes; as puér­peras (mulheres até 45 dias após o parto); os grupos portadores de doenças crônicas não transmissí­veis e outras condições clínicas especiais; a população privada de liberdade, além dos funcioná­rios do sistema prisional.

*Matéria completa na edição impressa desta terça-feira.