Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
demissões

Demissões de merendeiras e funcionários de apoio ameaçam fechar escola Edílson Duarte

Alunos foram dispensados em todos os turnos nesta quarta-feira (6)

07 julho 2016 - 09h45Por Rodrigo Branco
Demissões de merendeiras e funcionários de apoio ameaçam fechar escola Edílson Duarte

Funcionando pela metade desde o início da greve dos profissionais da Educação, a escola municipal Edílson Duarte, no Jardim Caiçara, corre o risco de, definitivamente, entrar em férias forçadas depois da demissão de 13 servidores da unidade na última leva de exonerações da administração municipal, divulgada na terça-feira (5).

Dos demitidos, boa parte trabalhava na cozinha do colégio, onde restaram apenas duas funcionárias, mesmo assim efetivas e que aderiram à paralisação. Com isso, não foi servido o almoço e o refeitório permaneceu trancado. Como todos os funcionários da apoio que trabalhavam na portaria também foram despedidos, por razões de segurança, os alunos foram mandados de volta para suas casas.

Para hoje, a situação ainda é incerta, uma vez que a direção tentou durante todo o dia de ontem reverter as demissões junto à secretaria de Educação.
Alguns estudantes do 9º ano chegaram a protestar em frente do prédio da emissora de rádio onde havia a expectativa da presença do prefeito Alair Corrêa para uma entrevista, que acabou sendo feita pelo telefone.

Conforme a Folha apurou, alguns dos alunos chegaram a se mobilizar para fazer um mutirão de limpeza na escola, pois auxiliares de serviços gerais também fizeram parte da “barca” da secretaria de Educação.

De acordo com uma funcionária que não quis se identificar, desde que a greve começou a situação na escola está difícil.

– A gente já tem levado a coisa em termos bastante complicados porque os funcionários concursados aderiram à greve. Agora está pior porque os contratados acabaram sendo mandados embora. Não vai ter condição de levar a escola sem cozinha – afirmou a servidora.

Assim como aconteceu em outras escolas, o critério das demissões dos servidores não foi informado pela prefeitura.

De certo mesmo, apenas que a escola receberá na noite desta quinta (7) mais uma assembleia dos profissionais de Educação. E na já extensa pauta de reivindicações da categoria, as recentes demissões certamente serão objeto de debate e votação pelos servidores.