Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Facury

Demissão na mesa: secretário coloca cargo à disposição

Facury, responsável pela Cultura, alegou falta de diálogo com movimento

21 agosto 2015 - 09h08

GABRIEL TINOCO

 

Dois dias antes do prazo fi­nal para o pagamento do Proedi (Programa Municipal de Editais de Fomento e Difusão Cultura), o secretário de Cultura, José Fa­cury, admitiu ter deixado o cargo à disposição. Facury diz que não conseguia dialogar com o mo­vimento #OcupaPrefeitura, mas foi convencido a não abandonar a pasta pelo prefeito Alair Cor­rêa (PP). Em entrevista à Folha, ele afirmou que não há data pre­vista para a publicação do edital deste ano, mas que deseja mudar o formato da próxima edição.

Folha dos Lagos – É verdade que você pediu exoneração e o prefeito não quis?

Facury – Estão sabendo mais do que eu. Disponibilizei o meu cargo porque não obtive sucesso no diálogo com a manifestação pública na praça. Conversei com o prefeito, que disse que a cul­pa não era minha e para que eu não me preocupasse com isso. Ele disse que a causa disso tudo foram os problemas financeiros enfrentados pela cidade, que, consequentemente, atrapalha­ram o cumprimento dos prazos que o governo determinou.

 

Folha – Quando será lançado o edital deste ano?

Facury – Ainda não há ne­nhuma data prevista. Primei­ramente, resolveremos o paga­mento do Proedi referente ao ano passado para depois pensar­mos no próximo. Não tem nada resolvido ainda.

Folha – Como será o formato do próximo Proedi?

Facurry – Estou fadado a trabalhar não com prestação de contas, mas com uma premia­ção. Essa proposta foi retirada da Comissão Cabo Frio 400 anos. Vamos abrir um prêmio, que é o mesmo processo que um edital. Atualmente, o Proedi é divido em faixas que as pes­soas concorrem com projetos. Nesse projeto que estou pen­sando, haveria uma indicação de premiação de eventos mais tradicionais da cidade e a co­missão escolheria os mais sig­nificativos.

Folha – Após os últimos acontecimentos, a pressão no cargo ficou muito grande?

Facury – Veja bem, não é só a Cultura em Cabo Frio que passa por uma crise. Aliás, não é só a cidade que passa por um mau momento. É o Brasil intei­ro que está em crise. O PCCR (Plano de Cargos Carreira e Remuneração) ainda colocou uma pressão imensa no gover­no. Porto Alegre, por exemplo, está parcelando o pagamento dos funcionários. Cabo Frio não chegou ainda nesse ponto. A máquina pública vive de ar­recadação.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta (21)