Assine Já
segunda, 26 de julho de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
CABO FRIO

Decreto de desapropriação da área para Polo de Desenvolvimento de Cabo Frio é publicado

São dois terrenos, que juntos têm quase dois milhões de metros quadrados

04 dezembro 2019 - 20h09Por Redação
Decreto de desapropriação da área para Polo de Desenvolvimento de Cabo Frio é publicado

A Prefeitura de Cabo Frio publicou, ontem (4), um decreto de desapropriação das áreas que vão abrigar o Polo de Desenvolvimento Econômico. A divulgação foi no jornal de publicações oficiais do município. Os dois terrenos têm quase dois milhões de metros quadrados, localizados próximo ao aeroporto da cidade.

As áreas pertencem à Companhia Nacional de Álcalis S/A (1.197.287,00 m²) e ao Empreendimento Imobiliário LTDA (495.281,90 m²), somando um total de 1.692.568,9 m². O documento de desapropriação dos terrenos foi assinado pelo prefeito Dr. Adriano Moreno, no início de novembro, durante o lançamento do Mapa de Desenvolvimento da Cidade, elaborado em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

O Mapa propõe medidas para o avanço no ambiente de negócios e a retomada do crescimento econômico do município com a criação do Polo de Desenvolvimento da Cidade. O local desapropriado terá três setores: logística, indústria sustentável e inovação tecnológica. A expectativa do governo municipal é atrair novas empresas e movimentar a economia da cidade.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Matheus Mônica, “o polo, além do setor logístico e da atração de indústrias, poderá receber o setor de inovação tecnológica, iniciativas voltadas para o aproveitamento das oportunidades do setor de óleo e gás em toda a Região dos Lagos e no Norte Fluminense, para as quais Cabo Frio tem localização privilegiada”, destacou.

Ainda de acordo com o secretário, “em termos econômicos os benefícios serão maior geração de renda, aumento da receita da Prefeitura e representatividade da cidade no cenário Estadual. Com este projeto haverá uma mudança do perfil da origem de receitas do município. Cabo Frio iniciará o processo para deixar de ser dependente dos royalties. Nossa cidade deixará de ficar exposta ao mercado do petróleo”, finalizou.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.