Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
debate

Debate sobre o Ensino Médio é remarcado para amanhã

Estadualização do Ensino Médio em Cabo Frio será discutida no auditório da prefeitura

23 março 2017 - 08h10
Debate sobre o Ensino Médio é remarcado para amanhã

Após um dia de manifestações contra a estadualização do Ensi­no Médio em Cabo Frio, o debate marcado na sede do Ministério Pú­blico foi adiado para amanhã: Será às 14h, no auditório da Prefeitura. A medida foi tomada para que es­tudantes, membros da sociedade ci­vil, vereadores e imprensa possam acompanhar a reunião de perto.

O prefeito Marquinho Mendes esteve presente e se mostrou mais flexível a não entregar turmas às competências do Estado.

– Vamos analisar tecnicamente. Nosso dever não é com o Ensino Médio. Mas, se tiver possibilidade, assumo a responsabilidade. Mesmo que capenga. Sempre queremos co­locar a Educação como prioridade. É um problema a discutir com o Ministério Público. Só garanto que não vou ser penalizado por isso – declara.

Enquanto isso, a Rua Francisco Mendes era tomada por estudantes que cantavam gritos contra o fecha­mento do Colégio Rui Barbosa. Os manifestantes carregavam faixas e cartazes contra a estadualização.

Os vereadores Rafael Peçanha (PDT), Aquiles Barreto (SD), Van­derlei Bento (PMB), Alexandra Codeço (PRB), Miguel Alencar (PPS) Adeir Novaes (PRB) e Jefer­son Vidal (PSC) ficaram do lado de fora do Ministério Público por falta de espaço.

No início da manhã de ontem, estudantes também estiveram na porta da Se­cretaria de Educação para pressionar o governo a vol­tar atrás. A titular da pasta, Laura Barreto, tentou con­vencer aos manifestantes que haveria um gestor ad­ministrativo para garantir que o Ensino Médio não perderia em qualidade. Sem sucesso.

– É muita mentira. Es­tão dizendo que o Estado vai dar conta das suas fun­ções constitucionais e que o Município terá um regi­me de colaborações se os alunos reclamarem. Estão dizendo que vão dar es­trutura. Estou cansada de tanta mentira – reclamou a professora Denize Alva­renga.

A diretora Márcia Mar­ques lamenta a falta de diá­logo com a secretaria.

– Não querem negociar. Disseram que vão acabar e pronto. Só nos cabe lutar. A sociedade vai querer estu­dar no Célula Mater? Por­que não tem vaga pra todo mundo no Miguel Couto – diz a diretora.

Os manifestantes acu­saram o governo de tomar uma posição autoritária.

– Nossa secretaria está pautada pelo diálogo. Tan­to que eu marquei essa reu­nião no Ministério Público. E estamos presentes. Não há sentido algum em me chamar de autoritário – re­bate Marquinho.

O estudante Gabriel Baptista, 18, estava na manifestação: ele destaca a importância do colégio municipal na formação dos moradores.

– É importante para a cidade e pelos alunos. Veja quantos formadores de opinião, quantas pessoas importantes saíram do Rui – afirma.