Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
exposição

De Reinaldinho para Caó

Pintor faz exposição "Carne seca com abóbora" no Resta

15 junho 2015 - 14h49
De Reinaldinho para Caó

GABRIEL TINOCO

Reinaldinho morava na rua e juntava papelão para escapar do frio. Ainda menino, os pais arrancaram o seu bem mais pre­cioso: a guarda da avó. A casa caiu para o jovem artista desde então: desiludido, ele sobrevi­via entre bicos nos restaurantes da Orla da Praia do Forte. Res­tava-lhe a arte para trazer a vi­tória que a vida até então tinha lhe negado. Até que certo dia, através de um amigo, Reinaldi­nho conheceu nada mais nada menos do que Carlos Scliar, que profetizou: “mude a sua assina­tura, ela deve ser mais discre­ta.” O conselho caiu como uma luva para o pintor. Reinaldinho hoje assina como Reinaldo Caó – uma abreviação de Carlos Oli­veira. Eles são a mesma pessoa. A única diferença, no entanto, é que Reinaldo Caó faz expo­sições nos prédios que outrora Reinaldinho dormia em frente.

– Lavava copos e descascava cebolas e batatas nos restauran­tes da Praia do Forte. Quando meus pais me tiraram da guar­da da minha vó, meu mundo desabou. Fiquei sem chão. Não quer dizer que meus pais sejam ruins, mas era criança e estava acostumado com ela – conta ele, emocionado.

O conselho, paterno, fazia analogia com uma partida de fu­tebol. Na ocasião, foi anunciada a substituição: Reinaldinho saiu para Reinaldo Caó entrar em campo. A previsão de Scliar mu­dou completamente o jogo.

– Ainda me aconselhou a mu­dar a assinatura. O Carlos Scliar dizia: a assinatura é como um juiz num jogo de futebol, não deve aparecer tanto. Quem deve aparecer em campo é o jogador. Segui o conselho e consegui me destacar – relembra Caó.

Sempre muito tímido, Reinal­dinho enxergou na pintura uma maneira de expressar o que a sua gagueira não deixava dizer. Aos 11 anos já desenhava como um hobby, uma fuga de escapar – ou trazer – a dura realidade.

– Meus amigos me sacane­avam porque era gago. Então, com vergonha de falar, sempre pintava quadros e desenhava como maneira de me libertar. Era uma forma que tinha de sol­tar a voz. A arte, sem sombra de dúvidas, fez de mim uma pessoa melhor.

Mas o encontro com Carlos Scliar, que tem uma estátua e uma casa de cultura em sua ho­menagem no Bulevar Canal, não foi dos mais animadores.

– Não sabia nem quem era Carlos Scliar. Um amigo me apresentou a ele no ano de 1987. Ele avaliou minha arte e disse que não havia técnica nenhuma, mas que isso viria com o tempo.

E com essa história de supera­ção e talento que Reinaldo Caó apresenta a exposição ‘Carne Seca Com Abóbora’. O evento acontecerá no Restaurante Pica­nha na Tábua, no Centro, no pró­ximo dia 25, às 19h30. A ideia de pintar os alimentos surgiu com uma festa intimista na casa onde atualmente vive, no Tanga­rá. Reinaldo convidou casais de amigos não só para apreciar os quadros, mas também os sabo­rosos pratos feitos, é claro, com carne seca e abóbora.

– Tudo começou de uma ma­neira natural. Convidei 30 casais para ir lá em casa degustar dos pratos e apreciar as obras de arte. Foi unir o útil ao agradá­vel. Nesse segundo evento, vou trazer 12 telas sobre carne seca com abóbora e alguns trabalhos sobre a cidade. As telas dos pra­tos têm muito o olhar do pintor, a textura da abóbora. Tenho tam­bém muitos quadros com pontos turísticos de maneira geral como o Anjo Caído, o Forte de São Mateus, a Passagem... Enfim, vai ser um trabalho com ótimos pratos – completa.