Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cultura

Cultura faz tomada de contas para saber onde estão mais de R$ 540 mil em bens

Atual secretário diz que não houve transição e antigos gestores rechaçam suspeitas

20 junho 2017 - 09h29Por Rodrigo Branco I Foto: Reprodução
Cultura faz tomada de contas para saber onde estão mais de R$ 540 mil em bens

A Secretaria Municipal de Cultura de Cabo Frio acaba de abrir uma tomada de contas para saber o paradeiro de vários itens de patrimônio pertencentes à pasta e que não foram encontrados após a mudança de gestão, em 1º de janeiro. A instauração do processo foi publicada no jornal que veicula os atos oficiais do governo municipal. Segundo levantamento feito pela secretaria, o valor dos bens não localizados totaliza R$ 547.687,90, mas essa quantia pode subir ainda mais.

De acordo com o secretário Ricardo Chopinho, como não houve transição de governo, a auditoria foi baseada em inventário feito com os itens adquiridos até 2012, último ano da gestão anterior do atual prefeito, Marquinho Mendes (PMDB). O que não foi encontrado entrou no relatório com o valor de compra à época da aquisição. Com a correção monetária feita em Ufir, Chopinho acredita que o montante, atualmente, ultrapasse R$ 1 milhão.

– O prefeito deu ordem para que todas as secretarias levantassem o seu patrimônio. O governo quando sai tem que deixar a listagem com o que fica. Como não foi feita transição, fizemos por conta própria. Não é perseguição política, é um rito burocrático que não fizeram. Não quero responsabilizar ninguém, quem vai fazer isso é a Justiça – explica Chopinho.

O processo está a cargo do controlador-geral do município, Silas Nunes da Cunha. Os antigos gestores da pasta podem apresentar defesa, com a apresentação de documentos, dentro de um prazo de dez dias.

Procurado, o secretário que ocupou o cargo na maior parte da gestão de Alair Corrêa, José Facury Heluy, manifestou-se sobre o assunto. Embora tenha evitado aprofundar-se na questão, Facury questionou os critérios para chegar ao valor e foi taxativo ao afirmar que nada sumiu ou foi destruído durante a gestão. Ele salientou ainda que não houve passagem oficial de uma listagem de bens, quando assumiu a pasta, em 2013.

– Assumi em janeiro de 2013, e o governo anterior não nos fez inventário de nada da Cultura. Entreguei o cargo em dezembro de 2015 e os dois secretários (Alfredo Gonçalves e Walcir Alegre) que me sucederam em 2016, pelo que soube, também não inventariaram nada. Porém como continuei na secretaria, pois sou funcionário efetivo da prefeitura, só vendo a listagem dos que acusam para dizer alguma coisa – comentou o ex-secretário, dizendo que no ano passado apenas administrou ‘o caos’.

Ex-secretários de Esporte na gestão Alair, Alfredo Gonçalves e, depois, Walcir Alegre acumularam a pasta da Cultura no fim do mandato. Alfredo disse que os atuais gestores têm que especificar o que está faltando e buscar os responsáveis.

– Quando assumimos pegamos a pasta do Facury com muita dificuldade. Assumimos apenas por assumir e ainda assim deixamos o legado da restauração da Biblioteca que foi iniciativa da nossa gestão.

Walcir foi ainda mais sucinto.

– Não tenho o que dizer porque assumimos apenas por cinco meses. Quando assumimos já estava tudo daquele jeito– resumiu.