Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
crise

Crise política em Búzios pode provocar colapsos nos serviços públicos

Prefeito e vereadores não se entendem

02 julho 2014 - 15h55
 
Crise política em Búzios pode provocar colapsos nos serviços públicos

Os serviços públicos em Armação dos Búzios correm o risco de entrar em colapso a qualquer momento. Sem dotação, o prefeito André Granado (PSC) não está pagando prestadores de serviços e fornecedores. A situação é provocada pelo impasse político entre o prefeito e os vereadores, que, até agora, não aprovaram nenhum dos seis pedidos de remanejamento de verbas feitos por André Granado.

Em meio a tudo isso, o vereador Felipe Lopes (PDT) tenta, de todas as formas, instalar a ingovernabilidade de André Granado. O anunciado pedido de impeachment que seria feito na sessão da manhã de ontem não aconteceu; ao contrário, Felipe Lopes foi ameaçado pelo líder do governo, Uriel da Costa Pereira (PSC), de ser denunciado por falta de decoro parlamentar.

Na sessão de ontem, o plenário Emigdio Gonçalves Coutinho virou um circo. Pelo menos 100 pessoas acompanharam o trabalho dos vereadores, que, a todo instante, foram interrompidos com gritos e vaias. Alguns manifestantes exibiram cartazes criticando ou defendendo o governo de André Granado. O presidente Leandro Pereira (PSDB) chegou a ameaçar pedir a presença de força policial.

Toda a crise tem como origem a previsão orçamentária deste ano. A Câmara aprovou orçamento de R$ 210 milhões, mas, se forem considerados os anexos, chega a R$250 milhões. Vereadores sustentam que estes anexos não foram enviados para a apreciação legislativa. O conserto técnico da questão, no entanto, virou briga de vaidades e, agora, ninguém se entende, sequer para aprovar os habituais pedidos de remanejamento de verbas sempre feitos pelo Executivo.