sábado, 25 de maio de 2024
sábado, 25 de maio de 2024
Cabo Frio
25°C
Park lagos
Park Lagos 2
SEGURANÇA PÚBLICA

Crime na quarentena: roubos despencam e homicídios disparam na região em março

Mortes violentas em Cabo Frio e Araruama jogaram estatísticas para cima, aponta o ISP

28 abril 2020 - 16h42Por Rodrigo Branco

O número de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) na Região dos Lagos, em março, subiu 76% (de 21 para 37), tanto em relação a fevereiro como ao mesmo mês do ano passado. Por outro lado, o total de roubos caiu 20% em comparação a fevereiro; e 45%, em relação a março de 2019. Os índices divulgados são os primeiros relativos ao período de pandemia e das medidas de isolamento social, tomadas pela maioria dos municípios da região no meio do mês.

Segundo a reportagem apurou junto a uma fonte que atua na área de segurança pública do estado, a queda acentuada nos roubos é vista como consequência do menor número de pessoas circulando nas ruas. Contudo, a quantidade de homicídios surpreendeu. A hipótese mais provável, segundo a fonte, é o acirramento nas disputas entre grupos rivais de criminosos em comunidades. Em relação às mortes por intervenção policial, os chamados ‘autos de resistência’, a queda foi brusca: passaram de 15 para zero, de fevereiro para março deste ano. Em março do ano passado, foram três.

O estudo mensal do ISP aponta que os municípios de Cabo Frio e Araruama tiveram grande impacto para o aumento no número de mortes violentas na área de atuação do 25º Batalhão da Polícia Militar. No terceiro mês de 2020, mesmo com restrição de circulação a partir da segunda quinzena, a delegacia de Cabo Frio registrou 14 homicídios dolosos, contra 11 em fevereiro (+ 27%) e seis, em março de 2019 (+ 133%). Por sua vez, no mês em que foi decretada quarentena, Araruama teve oito homicídios dolosos, o que significa um aumento de 100% em relação ao mês anterior (4) e de 700% em relação a março de 2019 (1).

Roubos a pedestres têm tombo de 64% em um ano

O confinamento proporcionado pelas políticas de distanciamento social resultou na redução dos assaltos a pedestres. Em março deste ano, as delegacias da região notificaram 53 casos, enquanto que, no mesmo mês do ano passado, esse número foi de 148 (redução de 64%). Especificamente em Cabo Frio, a quantidade caiu de 61 para 29 (52%). Na região como um todo, a queda no índice foi menor em relação a fevereiro, quando houve 103 ocorrências: 48% a menos de um mês para o outro.

Em março, de acordo com o ISP, houve ainda 30 roubos de celular (menos 12% em relação a fevereiro) e dois roubos de carga, mesmo número registrado no mês anterior. Já os roubos de veículos tiveram aumento, passando de 15, em fevereiro, para 34 em março (mais 113%). Em março de 2019, foram 49 carros roubados (queda de 31%).

No mês de março, a Secretaria de Polícia Civil restringiu os atendimentos presenciais nas delegacias, que passaram a notificar somente ocorrências de homicídio, roubo de veículos, autos de prisão em flagrante e casos considerados como de emergência, como aqueles em, que pode haver perecimento da prova. As demais situações foram registradas pelos aplicativos e sistemas remotos das unidades policiais.

Em nota, a Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informou que o 25ºBPM (Cabo Frio) emprega o policiamento ostensivo em todos os municípios da sua área de policiamento, com base nas análises das manchas criminais e através de dados colhidos e processados pelo Setor de Inteligência da unidade.

De acordo com a PM, o patrulhamento na região é feito de forma dinâmica, com rondas em viaturas e motos, além de equipes policiais baseadas em pontos estratégicos de vias. Também são realizadas ações de abordagem nas ruas para prevenir práticas criminosas.

O planejamento operacional adotado pelo batalhão continua sendo empregado com foco permanente na diminuição de delitos. No mês de março, a unidade realizou 122 autos de prisões em flagrante, 33 apreensões de adolescentes e 113 ocorrências com apreensão de drogas.

A Polícia Militar não comentou a respeito do aumento no número de homicídios dolosos.