Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
menina esfaqueada

Criança esfaqueada no Jardim Esperança já está com o pai

Menina de 4 anos vai morar em Itaperuna e terá acompanhamento psicológico

12 julho 2017 - 09h45Por Redação
Criança esfaqueada no Jardim Esperança já está com o pai

Um pai completamente chocado com a situação da filha de quatro anos machucada pela própria mãe. Assim foi a cena acompanhada pelos conselheiros tutelares de Cabo Frio na manhã de ontem, quando o progenitor veio buscar a criança que havia levado facadas da mãe no domingo à noite por não ter achado as sandálias da mesma. A criança, que estava com a avó materna desde o acontecido, agora está sob os cuidados do pai em Itaperuna, no Noroeste Fluminense.

Segundo informações do presidente do Conselho Tutelar, Douglas Felizardo, que acompanhou pessoalmente toda a história, o pai esteve no conselho e foi acompanhado até a casa da ex-sogra. Agora com a tutela da criança, ele tem a responsabilidade de fazer valer a medida protetiva, que consiste em aplicar a proteção à criança e não deixar que ela retorne ao lar e à companhia de quem a feriu, no caso, a mãe, presa na carceragem da 126ª DP desde segunda-feira passada.

– Acompanhamos todos os passos e passamos a documentação para o Conselho Tutelar de Itaperuna, que irá acompanhar o caso. O que fica para a gente nessa história é que, sem sombra de dúvidas, o primeiro passo é que as famílias não devem esconder nenhum tipo de fato. Tem que haver uma denúncia para que o Conselho possa agir – ressaltou.

Violência – Segundo o presidente do Conselho Tutelar, a “violência em Cabo Frio é muito alta” e em outubro a cidade vai sediar um Fórum Estadual de Conselheiros e ex-Conselheiros para que esse alto índice seja discutido e políticas públicas para que haja a diminuição da violência. Douglas informou que em média, o Conselho registra cerca de 400 denúncias por mês, que vão de violência doméstica, ao abuso sexual, evasão escolar, dependência química, entre outros.

–Temos o Disk 100, que funciona 24 horas por dia, e temos os telefones 2646 5436 ou 9992135625 – informou Douglas Felizardo.