Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
tartarugas marinhas

Cresce número de tartarugas marinhas resgatas em Arraial

Animais ficam sufocados pelo lixo no mar ou se ferem em redes ilegais de pesca

14 julho 2017 - 11h30Por Rodrigo Branco I Foto: Divulgação
Cresce número de tartarugas marinhas resgatas em Arraial

As agressões ao meio am­biente em Arraial do Cabo tem feito das tartarugas-marinhas al­gumas de suas maiores vítimas. Desde o mês passado, a Guarda Ambiental de Arraial do Cabo registrou, pelo menos, quatro resgates de animais que agoni­zavam na beira das praias ou es­tavam desorientadas no canal da antiga Álcalis. De acordo com o coordenador da Guarda, Mauro Cezar Gonçalves da Silva, são vários os motivos para o aumen­to no número de ocorrências.

– Pode ocorrer por ingerirem lixo, como plástico, guimba de cigarro e outras coisas mais. Outras já apresentam marcas de algum tipo de pesca, de linha ou pedaço de rede que estava enro­lada. Ou até mesmo por afoga­mento. O pessoal também não tem consciência e ficam empur­rando as tartarugas que sobem para respirar para dentro da água e elas acabam se afogando – re­lata Mauro Cezar.

O aumento na população de tartarugas na cidade é creditada ao trabalho feito pelo Proje­to Tamar, que existe há quase trinta anos e está espalhado pelo litoral brasileiro. No Es­tado do Rio, existem polos em São Francisco do Itabapoana e no Farol de São Tomé.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Márcio Cro­ce, comentou que está atento ao problema e que a pasta dá suporte às ações de fiscalização do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O órgão federal é o responsável pela reserva extrati­vista de Arraial, mas possui um pequeno contingente de funcio­nários para dar conta de toda a costa cabista.

– Fazemos um trabalho de conscientização e notificação das empresas de passeio náuti­co em parceria com o ICMBio. Essas empresas são das maiores responsáveis por poluir o mar. Isso é cumprido à risca. Mas também vem lixo de outras ci­dades. Aí não temos o que fazer, apenas monitorar e dar apoio ao ICMBio – explica o secretário.

A chefe do ICMBio, Vivianne Lasmar, não retornou a chamada da reportagem durante dois dias seguidos.