Assine Já
terça, 07 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53752 Óbitos: 2196
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15618 902
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7054 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
Hospital da Mulher

CPI da Alerj aponta falhas na gestão do Hospital da Mulher

Depois de seis meses, texto final foi aprovado com 138 recomendações e 12 projetos de lei

31 outubro 2019 - 20h52
CPI da Alerj aponta falhas na gestão do Hospital da Mulher
Após seis meses de trabalho, que incluíram análise de documentos e depoimentos de autoridades e vítimas, além de inspeções técnicas, foi apresentado ontem, na Assembleia Legislativa (Alerj), o relatório final da CPI que investigou a morte de recém-nascidos e de fetos natimortos no Hospital da Mulher de Cabo Frio. 
 
O documento aponta as falhas na gestão da unidade ao longo do processo de investigação, mas também propõe uma série de medidas para a melhoria e humanização dos procedimentos obstétricos, não apenas em Cabo Frio, mas também no estado do Rio. Ao todo, o relatório traz 138 recomendações para órgãos municipais, estaduais e federais, e propõe 12 projetos de lei, entre eles, a criação do Programa Estadual de Promoção dos Direitos da Mulher na Atenção à Saúde da Gestante, Parturiente e Puérpera.
 
O relatório será enviado para o Ministério da Saúde, Ministério Público Estadual e Federal, Polícia Civil, Congresso Nacional, Secretaria Municipal e Estadual de Saúde, Conselhos Federais e Regionais de Medicina e Enfermagem e aos Ministérios da Saúde e da Educação. Os indiciamentos dos responsáveis acontecerão a partir das investigações feitas por cada instituição.
 
O resultado da CPI foi destacado pela presidenta da comissão, deputada estadual Renata Souza (PSOL). Evitando dar conotação de ‘caça às bruxas’ ao trabalho, Renata destacou a iniciativa do grupo de propor recomendações. Ainda assim, não aliviou ao falar sobre o que levou à morte de, pelo menos, 17 recém-nascidos no Hospital da Mulher, nos primeiros meses deste ano.
 
– Uma CPI não se destina somente a punir, mas sim a colher material que possa qualificar o trabalho das Casas Legislativas. A função da CPI não é uma investigação criminal. Esta CPI cumpre esse papel. Após todos os documentos analisados e oitivas, entendemos que houve uma conjugação de falhas administrativas, incompetências gerenciais e práticas desumanizadas de atendimento. O que nós sugerimos nessa CPI são ações essenciais para que mulheres não saiam mais do hospital com atestado de óbito nas mãos e sim com seu bebê no colo – afirmou.
 
O relatório final da CPI segue agora para votação em plenário e pode ainda receber emendas.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.