Assine Já
domingo, 12 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
Saúde

Cortes à vista na Saúde de Cabo Frio: sem empréstimo, agonia cresce

Prefeito se reúne com secretário e diretores de hospitais para informar cortes

25 setembro 2015 - 10h11

NICIA CARVALHO

O prefeito Alair Corrêa (PP) se reuniu no fim da tarde da úl­tima terça-feira com o secretário de Saúde Carlos Ernesto Dor­nellas, diretores de hospitais e chefes de diferentes unidades para anunciar possíveis cortes, desta vez ainda mais drásticos, na pasta, caso o empréstimo a tí­tulo de antecipação dos royalties não saia até outubro.

– Não participei da reunião, mas soube por colegas da Câma­ra que ele se reuniu para informar que teria que adotar medidas ra­dicais caso não consiga a verba. Ele (prefeito) diz a todo instante que vai sair, mas conversei esta semana com o superintendente estadual da Caixa (Econômica) e ele me informou que não há negociação em andamento com o banco credor, que no caso é o Goldman Sacks, e que não era prioridade do banco nacional essa negociação – explicou o ve­reador Aquiles Barreto (SD).

    

Caso o empréstimo não saia, entre as medidas anunciadas na reunião estão corte de pelo me­nos mil servidores, fechamento de hospitais como o de Tamoios, Unidades de Pronto Atendimen­tos (UPA) devolvidas à adminis­tração do Estado, entre outros. No caso da UPA do Parque Bur­le, que tem problemas recorren­tes de falta de medicamentos e até material para curativo, cogi­ta-se o encerramento do turno da noite, que atualmente é das 23h às 8h. A justificativa dada pelo prefeito no encontro para ado­ção destas medidas seria o alto custo da folha de pagamentos e dos gastos de manutenção, que aliados à queda na arrecadação dos royalties, formam o cená­rio nada favorável para o gestor. Nesta quinta-feira (24), a Prefeitura recebeu R$ 9,7 milhões referente a parcela de setembro dos royalties.

A despeito da queda na arre­cadação, são frequentes os pro­blemas na saúde. No Hospital São José Operário não há respi­rador e o Hospital Municipal da Criança poderá atender as emer­gências pediátricas.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (25)