Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Saúde

Cortes à vista na Saúde de Cabo Frio: sem empréstimo, agonia cresce

Prefeito se reúne com secretário e diretores de hospitais para informar cortes

25 setembro 2015 - 10h11

NICIA CARVALHO

O prefeito Alair Corrêa (PP) se reuniu no fim da tarde da úl­tima terça-feira com o secretário de Saúde Carlos Ernesto Dor­nellas, diretores de hospitais e chefes de diferentes unidades para anunciar possíveis cortes, desta vez ainda mais drásticos, na pasta, caso o empréstimo a tí­tulo de antecipação dos royalties não saia até outubro.

– Não participei da reunião, mas soube por colegas da Câma­ra que ele se reuniu para informar que teria que adotar medidas ra­dicais caso não consiga a verba. Ele (prefeito) diz a todo instante que vai sair, mas conversei esta semana com o superintendente estadual da Caixa (Econômica) e ele me informou que não há negociação em andamento com o banco credor, que no caso é o Goldman Sacks, e que não era prioridade do banco nacional essa negociação – explicou o ve­reador Aquiles Barreto (SD).

    

Caso o empréstimo não saia, entre as medidas anunciadas na reunião estão corte de pelo me­nos mil servidores, fechamento de hospitais como o de Tamoios, Unidades de Pronto Atendimen­tos (UPA) devolvidas à adminis­tração do Estado, entre outros. No caso da UPA do Parque Bur­le, que tem problemas recorren­tes de falta de medicamentos e até material para curativo, cogi­ta-se o encerramento do turno da noite, que atualmente é das 23h às 8h. A justificativa dada pelo prefeito no encontro para ado­ção destas medidas seria o alto custo da folha de pagamentos e dos gastos de manutenção, que aliados à queda na arrecadação dos royalties, formam o cená­rio nada favorável para o gestor. Nesta quinta-feira (24), a Prefeitura recebeu R$ 9,7 milhões referente a parcela de setembro dos royalties.

A despeito da queda na arre­cadação, são frequentes os pro­blemas na saúde. No Hospital São José Operário não há respi­rador e o Hospital Municipal da Criança poderá atender as emer­gências pediátricas.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (25)