Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Contabilidade

Contas dos candidatos passarão por análise rigorosa este ano

Uma das exigências é informar movimentação bancária a cada 72 horas

17 agosto 2016 - 10h37Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Contas dos candidatos passarão por análise rigorosa este ano

PREPARO – Funcionários da Ramires Contabilidade fizeram treinamento ontem para atuar nas eleições

Esta eleição não será igual à que passou, pelo menos no que diz respeito ao rigor da Justiça Eleitoral com as finanças dos comitês de campanha: o tradicional desleixo com a prestação de contas por parte dos candidatos e partidos não será mais tolerado.

A principal mudança em relação a outras campanhas eleitorais diz respeito à proibição das doações empresariais. Mas os candidatos precisarão ficar atentos a outros detalhes para não serem pegos pelo pé.

Além do primeiro balanço obrigatório, que deverá ser feito entre os dias 9 e 13 de setembro, os comitês terão que apresentar ao TRE-RJ a movimentação financeira a cada 72 horas. Antes de tudo, para colocar a campanha na rua, o comitê tem que ter CNPJ e abrir conta bancária para receber as doações. Já o balanço final com os valores arrecadados e gastos deverá ser feito até um mês após as eleições, em 2 de novembro.

Por isso, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) e o Conselho Regional de Contabilidade (CRC-RJ) resolveram arregaçar as mangas para preparar os profissionais que serão responsáveis por analisar e transmitir as informações financeiras para o Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

– A partir da proibição das doações por parte de empresas na campanha, a expectativa é que haja maior rigor no controle por parte da Justiça Eleitoral e fiscalização do Ministério Público Eleitoral a fim de evitar a prática de caixa dois (arrecadação de recursos não declarada) e garantir que o resultado final das eleições represente de fato a vontade do eleitor – explicou o advogado eleitoral Carlos Laurindo, durante treinamento ministrado ontem, na sede da Associação Comercial e Industrial de Cabo Frio, para funcionários do escritório Ramires Contabilidade, que se especializou na prestação de contas de candidatos e partidos para esta eleição.

Para fechar ainda mais o cerco e evitar desvios, como a Folha antecipou, este ano pela primeira vez será feito cruzamento de dados entre Receita Federal, do Tribunal de Contas da União (TCU), o Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf), o Ministério Público Federal e a Polícia Federal.

(*) Leia a matéria completa na edição impressa da Folha desta quarta-feira.