Assine Já
sábado, 23 de outubro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
hospital da mulher

Conselho Regional de Medicina retira interdição do Hospital da Mulher

Medida vem após assinatura de Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre a Prefeitura e o Ministério Público

23 maio 2019 - 13h38Por Rodrigo Cabral
Conselho Regional de Medicina retira interdição do Hospital da Mulher

O Conselho Regional de Medicina retirou na tarde desta quinta-feira (23) a interdição do Hospital da Mulher, em Cabo Frio. Segundo o conselho, a "desinterdição ética é decorrente da avaliação realizada pelo órgão no dia 23 de maio". 

A medida é decorrente da assinatura, na manhã de quinta, da assinatura de Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre a Prefeitura e o Ministério Público, no qual o município se compromete a atender as demandas apontadas pelo Cremerj. 

A prefeitura tem 60 dias para atender as exigências do TAC. "Se [a gestão] tiver vontade de fazer [as mudanças necessárias], o tempo é mais do que seguro", avaliou Rafaella Braga Leal Reis, diretora secretária-geral e coordenadora de fiscalização do Cremerj.
 
Para que todas as exigências sejam atendidas com mais rapidez, nesta quinta o secretário de Saúde de Cabo Frio, Márcio Mureb, começou a despachar dentro do Hospital da Mulher. Caso as determinações não sejam atendidas no prazo estipulado, a unidade pode voltar a ser interditada.
 
Uma das principais exigências do TAC diz respeito ao tratamento oferecido aos pacientes em estado grave na UI neonatal, bem como seu posterior encaminhamento a outras unidades de saúde. "A UI neonatal não tinha médico plantonista, conforme nós constatamos na nossa visita. Se acontecesse alguma coisa com o bebê, chamava-se o médico que ficava lá na outra ala. Isso representa um risco muito grande para essa criança. Para um recém-nascido, o primeiro minuto da reanimação é fundamental. A gente notificou essa unidade intermediária, que precisa ter, além dos equipamentos corretos, médico plantonista. E uma ambulância que transfira imediatamente essa criança", explicou Rafaella Braga.
 
Em entrevista à Folha, o presidente do Cremerj, Sylvio Provenzano, afirmou que é necessário que o município informe para onde será encaminhada a criança que nasce em estado grave. "Evidentemente, que nós não temos, diante do Cremerj, a condição legal de obrigarmos o prefeito a criar uma UTI neonatal, mas eu quero um documento dizendo para onde vai essa criança que nasce em estado grave".
 
A falta de climatização de duas enfermarias da pediatria também é outro problema a ser sanado. "Sabemos que isso, no estado do Rio de Janeiro, mesmo em Cabo Frio, que é uma cidade mais ventilada, é inviável. Acaba prejudicando o tratamento", afirmou Rafaella Braga. "Também é necessário que as comissões [comissão de óbito e comissão de infecção hospitalar] sejam atuantes efetivamente", acrescentou.
 

Leia mais: 

http://www.folhadoslagos.com/geral/cidade/cpi-da-alerj-convoca-diretores-da-cremerj-orgao-interditou-hospital-da-mulher

http://www.folhadoslagos.com/politica/politica/presidente-de-cpi-da-alerj-preocupa-se-com-interdicao-de-hospital-da-mulher