Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
jornalismo investigativo

Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo discute liberdade de imprensa

Folha participa de evento realizado em São Paulo

25 junho 2016 - 14h24
Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo discute liberdade de imprensa

 Em tempos de diminuição das redações e de cerceamento da liberdade de imprensa, como constatado no caso dos jornalis­tas que respondem a dezenas de processos por divulgar os salá­rios de juízes no Paraná, a 11ª edição do Congresso Interna­cional de Jornalismo Investiga­tivo termina hoje, em São Paulo, com o claro recado de que so­ciedades democráticas são pos­síveis apenas com apenas uma imprensa livre e forte. Para en­grossar o caldo, a cobertura dos Jogos do Rio e a preocupação com o chamado legado olímpico também mereceu destaque es­pecial em alguns dos 70 painéis que fizeram parte do evento.

Ao todo, segundo a organiza­ção do evento, participam apro­ximadamente 600 congressistas, entre estudantes, recém-forma­dos e jornalistas de veículos de todo o país (entre eles Rodrigo Branco, da Folha dos Lagos), e do exterior, de países como Angola e Moçambique. Além disso, o congresso organizado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abra­ji) conta com 30 pessoas traba­lhando na organização e 130 pa­lestrantes de várias mídias.

Entre os nomes renomados que deram palestra está o ex­periente jornalista Juca Kfouri, colunista dos canais ESPN, da Folha de São Paulo, da rádio CBN e do portal UOL. Bem ao seu estilo, sem papas na língua, Juca contestou a realização das Olimpíadas no país, por causa da falta de cultura esportiva.

– O Brasil não merecia a Olimpíada porque ela coroa o sucesso de uma política espor­tiva e não para fazer dela o pon­to de partida para se tornar uma potência, como o (presidente do COB Carlos Arthur) Nuzman diz – avalia.

Dividindo as atenções com Juca, o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons, comemora o sucesso da política de inclusão dos atle­tas paralímpicos e celebra a pre­sença no evento.

– Acho que é um evento que tem grandes nomes em várias áreas e que é riquíssimo. Venho sendo convidado há alguns anos, mas sempre estava no exterior, então esse ano, fiz questão de vir. Eu tenho um carinho grande pelo jornalismo investigativo. Eu sou jornalista de formação e acho que uma democracia preci­sa de uma imprensa forte e com liberdade de atuação. Acho que dentro disso se enquadra o jor­nalismo investigativo. Não é à toa o que a gente está vivendo no país hoje – comenta.

Também da área esportiva, mas originária da cobertura po­licial, a repórter da ESPN Ga­briela Moreira elogiou a troca de informações com o público.

– Falo que esse é um evento inspirador para quem está come­çando na carreira e para quem já está há algum tempo na profis­são, é um momento de recicla­gem, de você se deparar com novas técnicas. Então eu fui no

 primeiro congresso da Abraji, no Rio de Janeiro, e desde então vou a todos eles – relata.

Lançamento e homenagens – O congresso marca também a virada na carreira de um dos principais repórteres políticos de TV do país, Vladimir Netto, da TV Globo, que aproveitou o evento para lançar-se na carreira literária. Ele deu uma palestra sobre o seu livro-reportagem ‘Lava Jato, o juiz Sérgio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil’.

O congresso também teve momentos de emoção como a homenagens a dois dos mais prestigiados nomes da impren­sa brasileira: Alberto Dines, criador do Observatório da Im­prensa e ex-editor chefe de uma série de veículos, como o Jornal do Brasil, e Elvira Lobato, re­pórter que trabalhou na sucursal do Rio da Folha de São Paulo e que ganhou destaque por uma série de reportagens investigati­vas até 2011.