Assine Já
quinta, 09 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 270 654 41
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 2 517 19
Saquarema 7 528 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Maria Luisa

Condutor do banana boat é ouvido na Capitania dos Portos

Segundo comandante Jonas Oliveira, ele afirmou que lancha estava em alta velocidade

07 dezembro 2016 - 01h04Por Fernanda Carriço | Foto: Reprodução de TV
Condutor do banana boat é ouvido na Capitania dos Portos

 O dono da banana boat que transportava Maria Luisa San­tana Serra, 10, a menina que foi decapitada no fim de semana na Praia do Forte, esteve ontem pela manhã na Capitania dos Portos. O comandante da instituição, capitão-tenente Jonas Olivei­ra, comandou a segunda oitiva com o condutor. Segundo Jonas, ele informou que havia saído da altura dos quiosques, onde tem ponto, e estava em direção ao Carolina, próximo à Boca da Barra. Quando estava na altura do Hotel Malibu, do lado direi­to da embarcação vinha a lancha guiada por Nostradamus Pereira Coelho, 65.

– Ele disse que buzinou, ace­nou, fez muito barulho até que o condutor o visse. Segundo ele a lancha estava em alta velocidade e a proa estava levantada, o que diminui a visibilidade. Quando o condutor ouviu o alerta do con­dutor da banana, ele conseguiu desviar da lancha, mas não da banana – informou o comandan­te da Capitania.

Nostradamus Pereira, 65, que está respondendo o inquérito po­licial em liberdade, vai ser con­vocado nesta quarta-feira para comparecer à Capitania dos Por­tos. A instituição abriu inquérito para apontar as causas do aci­dente entre a lancha e a banana que matou a pequena Maria Luisa no sábado à tarde. O inquéri­to ficará pronto em até 90 dias.

Plano Verão – O plano ve­rão começa no próximo dia 15 e segue até 1° de março de 2017. Segundo Jonas, a agência já re­cebeu o reforço de 30 militares e serão três lanchas a mais. Ques­tionado sobre falta de fiscaliza­ção no mar, Jonas rebate:

– Fomos os primeiros a che­gar à ocorrência porque estáva­mos fiscalizando o mar. O que houve foi uma fatalidade e a gente fica muito triste com isso. Nós lamentamos muito, estamos consternados. Trabalhamos in­cessantemente para que eventos como este não ocorram. Faze­mos o nosso papel. Somos até rotulados de chatos de tanto que abordamos os condutores de Jet, por exemplo – declarou Jonas que aproveitou para informar que qualquer irregularidade que for flagrada deve ser denunciada à Capitania no telefone 2645 5074.

O comandante da Capitania já tem data certa para deixar o comando da mesma. Ele será desligado do comando da agen­cia Cabo Frio no próximo dia 17 de janeiro, quando será substitu­ído pelo capitão Rogério Soares de Souza.

Buscas recomeçam – Desde as primeiras horas do dia de on­tem homens do Corpo de Bom­beiros e Capitania dos Portos re­tomaram as buscas pelos restos mortais de Maria Luísa. A ope­ração reúne 18 soldados do 18º Grupamento Bombeiro Militar, 25 agentes da Capitania dos Por­tos, três botes, três jet skis e um helicóptero da Marinha de São Pedro da Aldeia e não há previ­são para acabar.