Assine Já
sexta, 23 de abril de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
17ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 34272 Óbitos: 1287
Confirmados Óbitos
Araruama 8721 280
Armação dos Búzios 4128 55
Arraial do Cabo 1200 64
Cabo Frio 9281 462
Iguaba Grande 3367 85
São Pedro da Aldeia 4763 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cidade Viva

Comércio informal e trânsito são destaques do Cidade Viva

Debate aconteceu ontem na sede da Folha dos Lagos com participação de setores da sociedade

03 fevereiro 2017 - 02h39
Comércio informal e trânsito são destaques do Cidade Viva

O impacto inicial de assumir a cidade em meio a um caos admi­nistrativo já passou, mas a ordem pública para o restante da alta temporada ainda é uma preocu­pação para autoridades e empre­sários. Mais uma vez, a questão foi o pano de fundo do ‘Cidade Viva Verão’, que ontem teve como temas o comércio informal e o trânsito de Cabo Frio. Esse foi o terceiro painel do projeto da Folha que começou em 2016.

De cara, o presidente da As­sociação Comercial e Industrial (Acia), Eduardo Rosa, reclamou do que chamou de ‘concorrência desleal’ dos informais com os co­merciantes que estão com a situ­ação regularizada.

– O governo tem as ferramentas para coibir esse processo. Não po­demos deixar que Cabo Frio vire uma cidade sem lei porque todos vamos sair perdendo. É inadmis­sível se encontrar 10, 20 vende­dores de gelo em cada esquina e diversos food trucks estabelecidos em qualquer área – disse.

Aliás, o comércio de alimentos sobre rodas foi assunto de desta­que no encontro. De acordo com o secretário de Desenvolvimento, Cláudio Bastos, existem hoje 23 veículos do tipo em Cabo Frio, a maioria sem licença para fun­cionar. Por conta de um decreto do prefeito Marquinho Mendes, foram todos notificados e devem ser fechados em até dez dias.

– Entendo que é correto (noti­ficar), pela forma que nós herda­mos a cidade, mas o food truck é uma realidade. A gente tem que ordenar e trazê-los para a forma­lidade – disse o secretário.

O debate teve grande partici­pação do público, tanto do que compareceu ao auditório da Folha como o que acompanhou a trans­missão ao vivo pelo Facebook. E foi da internet que veio a pergunta que estimulou uma longa expla­nação do secretário de Mobilida­de Urbana, Mauro Branco, sobre o estacionamento no Jd. Caiçara.

– A gente está passando por um momento de reestruturação. Temos que trabalhar numa lógi­ca de planejamento e a gente vai alcançar o Caiçara, mas para isso eu preciso de placas, porque sem placas eu não vou conseguir im­pedir o estacionamento nas ruas.