Assine Já
sábado, 08 de agosto de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 4786 Óbitos: 283
Confirmados Óbitos
Araruama 820 56
Armação dos Búzios 357 9
Arraial do Cabo 120 12
Cabo Frio 1563 93
Iguaba Grande 334 23
São Pedro da Aldeia 748 39
Saquarema 844 51
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Com o foco em dezembro, o verão chegou mais cedo em Cabo Frio

Forças de segurança e Capitania dos Portos fazem planejamento da alta temporada

23 setembro 2015 - 11h51

RODRIGO BRANCO

As cenas de arrastão vistas nas praias da Zona Sul do Rio, no último fim de semana, podem parecer uma realidade distante da Região dos Lagos, mas fazem parte da preocupação da polícia para o período de alta tempora­da, para a qual tanto as forças de segurança, como o Inea e a Capi­tania dos Portos já se mobilizam desde muito antes da primavera que acaba de chegar.

No caso da Polícia Militar, o planejamento começou no início deste mês, segundo o coman­dante do 25º Batalhão, tenente-coronel Ruy França. De acordo com ele, serão levados em con­sideração o apoio material e hu­mano recebidos no último verão bem como os eventos previstos para dimensionar o reforço no efetivo necessário.

– Para nós, sem dúvida, o maior desafio é o número de pessoas, porque na alta tempora­da, a população das cidades da região praticamente triplica. En­tão é preciso muita cautela e pla­nejamento para que não sejamos surpreendidos, uma vez que não temos recursos sobrando – disse o comandante, que aposta na in­tegração com as Guardas Muni­cipais como forma de garantir o patrulhamento e a tranquilidade dos pontos turísticos de Cabo Frio e das cidades vizinhas.

Dizendo-se afinado com França, o secretário munici­pal de Ordem Pública, Renato Vianna, afirma que também já está se reunindo com sua equi­pe para fazer uma avaliação do trabalho da Guarda Municipal no início do ano, a fim de ‘cor­rigir os erros’. Se por um lado, assim como toda administração pública municipal, a pasta está às voltas com recursos escassos, Vianna aposta na possibilidade de, desta vez, poder traçar as es­tratégias com antecedência.

– Um dos principais proble­mas do ano passado foi que assu­mi o cargo em dezembro, dentro das férias e não pudemos fazer um planejamento mais apurado – argumenta o secretário.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (23)