Assine Já
sábado, 25 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ensino Médio

Colégio Rui Barbosa não terá vagas para a comunidade

Medida atinge todo Ensino Médio e pode significar fechamento da tradicional escola

26 novembro 2015 - 09h44

Um duro golpe nas pretensões da comunidade estudantil do Colégio Rui Barbosa, que luta para manter a unidade na rede municipal de ensino. Na manhã de ontem, em reunião na Secre­taria Municipal de Educação, a Comissão de Matrículas infor­mou à diretora Márcia Marques que, já para o ano que vem, não serão mais abertas inscrições à comunidade para as vagas que restarem do atual sistema de ad­missão, onde os alunos de me­lhor desempenho do último ano do Ensino Fundamental são in­dicados para a unidade.

A medida se estenderá para as demais escolas do Ensino Médio Municipal – Elza Maria Santa Rosa Bernardo, no Jardim Esperança; Marli Capp, em Unamar; Escola Agrícola Nilo Batista e a Educação de Jovens e Adultos do Edílson Duarte. A decisão, que não se restringe ao 1º ano, está sendo encarada pe­los profissionais de ensino e pela comunidade estudantil do Rui Barbosa como o ‘início do fim’ da tradicional escola do centro da cidade.

– Um integrante da Comissão informou que não abriremos va­gas para novos alunos em 2016. Questionei se, por exemplo, ti­vermos uma turma com 15 alu­nos somente, se poderíamos abrir vagas para completar a tur­ma, já que o gasto seria o mes­mo. A resposta foi: é para acabar mesmo com o Ensino Médio – lamenta Márcia Marques, que contou que saiu da reunião pro­metendo resistir (“Vamos lutar”, prometeu).

A notícia caiu como uma bomba no fim do ano letivo, ge­rando uma série de críticas nas redes sociais e criação de grupos no WhatsApp para debater o as­sunto. Professores e estudantes prometem continuar a mobili­zação, iniciada em outubro, des­de que o Ministério Público fez uma recomendação para que a prefeitura passe para o Estado as escolas de Nível Médio, confor­me prevê a Constituição Federal.

O problema é que, em grave crise financeira, o próprio go­verno estadual admite que não tem condições de absorver es­ses gastos, comprometendo-se a reorganizar as finanças para receber de volta as unidades apenas em 2017.

– Vamos lutar muito. Isso fere a Lei Orgânica do município - declarou a professora Denize Alvarenga.  

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (26)