Assine Já
quinta, 04 de março de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26964 Óbitos: 928
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3248 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7480 357
Iguaba Grande 2552 58
São Pedro da Aldeia 3575 126
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
DIÁLOGO

Clarêncio: "Depois do pagamento da Lei Aldir Blanc, a prioridade será reabrir o Teatro"

Secretário de Cultura de Cabo Frio fala que artistas devem receber auxílio a partir desta quarta-feira (20), diz que Proedi está no radar, e garante que periferia terá vez na sua gestão

18 janeiro 2021 - 16h13Por Rodrigo Branco

Os bonecos que fizeram a fama de artista popular de Clarêncio Rodrigues, outrora serelepes, movidos habilmente pelo seu criador, no momento estão guardados. Também pudera, uma vez que o mestre pouco tempo tem tido para se dedicar à arte que encantou tantas pessoas nas últimas décadas, no teatro que mantém em Cabo Frio. Desde o começo do ano, o expediente como secretário de Cultura toma-lhe praticamente todo o tempo, inclusive nos fins de semana.

Afinal, não há tempo a perder, pois muitos colegas esperam ansiosos o pagamento do auxílio referente à Lei Aldir Blanc, cujo edital está em vigor desde o ano passado, ainda na gestão anterior. Nessa primeira entrevista à Folha, Clarêncio, cujo nome foi um dos mais festejados entre os novos secretários, garante que o depósito da ajuda financeira aos artistas é a prioridade, o que deve acontecer a partir desta quarta-feira (20).

Durante o bate-papo, o secretário abriu o jogo sobre o calendário de eventos culturais que pretende implantar, ainda que com atividades adaptadas por causa da pandemia de Covid-19; disse que pretende retomar o Proedi, mas ainda sem data, por causa das condições financeiras do município, e manifestou surpresa com a presença de funcionários ‘fantasmas’ na folha da secretaria. Em curto prazo, depois da Aldir Blanc, o objetivo é reabrir o Teatro Municipal, em reforma há mais de dois anos.

– Estamos em contato com engenheiros e arquitetos para acelerarmos também esse processo da reforma. 

Folha dos Lagos – A indicação do senhor para o cargo foi considerada uma unanimidade. Isso facilita a tarefa, por causa do apoio, ou dificulta, pelo aumento da responsabilidade?

Clarêncio Rodrigues – Com certeza, esse é o reconhecimento de um trabalho de mais de 45 anos dentro da área teatral. Isso traz uma responsabilidade maior. Mas eu procurei me cercar de pessoas técnicas e especialistas em gestão pública. Reconheci que não entendia nada disso. Então chamei pessoas ligadas à arte, como atores, músicos e produtores culturais, para me assessorar. O trabalho está sendo feito com muita seriedade e transparência, tanto é que estamos empenhados na aceleração do resultado da Lei Aldir Blanc.

Folha – O pagamento aos artistas do auxílio da Lei Aldir Blanc é a prioridade no momento?

Clarêncio – Essa é a prioridade porque envolve uma responsabilidade deixada pelo governo passado. São artistas que precisam desse resultado para sobreviver e continuar seu caminhar artístico. Estamos sem medir esforços, trabalhando sábado e domingo. A equipe está vindo para cá com esse objetivo. Vamos torcer para que até o dia 20 esse pagamento do projeto seja iniciado.

Folha – Quando o prefeito Bonifácio te convidou para o cargo, o que ele pediu ao senhor?

Clarêncio – Em primeiro lugar, sendo sabedor da bagagem que eu tenho no meio artístico e da minha índole e seriedade, por ter critérios de ordem e transparência, o prefeito me chamou. Falei para ele que não tinha experiência com gestão pública, mas ele me garantiu e deu completa liberdade para eu montar uma equipe técnica e eficiente para ajudar nessa caminhada. Então, a primeira providência foi selecionar essas pessoas e caminhar com elas. A coisa está acontecendo e dando certo. No dia 6, fizemos nossa primeira ação, sobre a Folia de Reis, mas de uma maneira que não afetasse as regras de isolamento. Então fizemos de modo on-line, que teve um resultado muito bom.

Folha – Vocês já pensam na elaboração de um calendário cultural para este ano, claro que dentro das limitações impostas pela pandemia? 

Clarêncio – Nós estamos fazendo esse planejamento há muito tempo. Inclusive, nós já temos uma relação de eventos e providências a serem tomadas dentro da Secretaria de Cultura. E a prioridade, depois da regularização da Lei Aldir Blanc, vai ser o nosso Teatro Municipal.

Folha – O senhor já visitou o Teatro depois de assumir? Como está a situação?

Clarêncio – Nossa equipe nem foi empossada ainda, mas já está trabalhando com afinco dentro do propósito de ver a melhor forma, mais prática e segura de reabrirmos o Teatro Municipal. Estamos em contato com engenheiros e arquitetos para acelerarmos também esse processo da reforma. 

Folha – Mas o que falta exatamente para que essa reforma seja concluída?
[Nesse momento, o assessor da secretaria, Pablo Alvarez, que acompanhou a entrevista, pediu a palavra].

Pablo Alvarez – Desde o início da gestão, a gente está o tempo todo com essas visitas, tanto junto à empreiteira que fez a obra, como junto aos responsáveis pelo projeto. A gente viu que realmente a obra foi praticamente concluída, mas faltaram alguns detalhes, pela falta de luz [corte por fata de pagamento], na gestão anterior. Teve aquela repercussão toda. E a gente começou a descobrir coisas que faltavam para conclusão da obra. Obviamente, a obra foi concluída, mas com alguns detalhes que precisam ser alinhados para a legalização do teatro. E a gente está nessa luta. É uma prioridade nossa não apenas para nós, como gestores da Secretaria de Cultura, como para a cidade de Cabo Frio. Ter um espaço enorme daquele parado. Está praticamente concluído, só precisamos resolver esses detalhes para entrar com essa ação junto ao Corpo de Bombeiros para providenciar a legalização. 

Folha – É possível falar em prazo para a reabertura?

Alvarez – Não temos como dar um prazo agora, mas acredito que, nos próximos dias, a gente consiga dar esse prazo.

Folha – Está no planejamento da secretaria retomar o Proedi este ano ou algum outro tipo de edital de fomento à atividade artística?

Clarêncio – O Proedi está dentro dos nossos planos. Mas por enquanto, seria até leviano afirmar algo. A gente sabe que o prefeito está com grande responsabilidade em efetuar o pagamento do funcionalismo. Nós também encontramos todos os equipamentos culturais danificados, como o Teatro, que está todo detonado, o Corredor Cultural Torres do Cabo. Tem a Fazenda Campos Novos. O nosso grande propósito é fazer uma grande revitalização de todos os prédios da Cultura. 

"Nós temos um núcleo de ações periféricas e o objetivo dele é mapear nas comunidades os seus agentes culturais. Nós queremos promover um mapeamento local de artistas e iniciativas culturais de cada comunidade, além de também promover ações culturais embasadas na identidade territorial".

Clarêncio Rodrigues, secretário de Cultura de Cabo Frio

 

Folha – O que o senhor viu até agora que chamou a sua atenção, para se tornar alvo de melhorias na Cultura?

Clarêncio – O que me chamou muita atenção foi o número de funcionários na Cultura que não tinham presença nos lugares, mesmo com o isolamento da Covid. A gente soube por parte do Departamento Pessoal que existem muitos funcionários fantasmas e nós vamos dar um jeito de suprir essa falta o mais rápido possível, além de revigorar os espaços. Essa é também uma prioridade na nossa gestão.

Folha – Quais os seus planos para a Cultura na periferia da cidade?

Clarêncio – Nós temos um núcleo de ações periféricas e o objetivo dele é mapear nas comunidades os seus agentes culturais. Nós queremos promover um mapeamento local de artistas e iniciativas culturais de cada comunidade, além de também promover ações culturais embasadas na identidade territorial. Queremos promover ciclos de troca de saberes, fazendo o empoderamento de informações e a inclusão cultural como base para ações da cidadania. Também temos um núcleo de inclusão cultural que é para mapear ações e coletivos que representem os jovens; mapear ações e coletivos de iniciativas étnicas e raciais; e mapear ações e coletivos de empoderamento da mulher e do LBTQia+. Também vamos mapear os pontos de cultura do município de Cabo Frio, além de praças e pontos, que são lugares em que podem ser facilitadas as ações cultuais. Para o primeiro semestre, temos o projeto de inclusão de digital, que vai implantar a internet nas praças. Isso já está sendo providenciado pelo prefeito e pela Secretaria de Governo. Também temos o projeto das ‘Gelotecas Comunitárias’, em que angariaríamos geladeiras antigas, que serviriam como bibliotecas ambulantes, em que as obras literárias seriam distribuídas ao público. Vamos fazer ainda o mapeamento dos agentes culturais nas comunidades, os representantes da Cultura em cada comunidade da cidade. E vamos fazer a revitalização de espaços da cidade, por meio de pintura e grafite. Vamos começar a ação da grafitagem na Praia do Forte, no muro de contenção. Teremos aqui no Centro e no Segundo Distrito, em Tamoios. Isso será feito por artistas locais.

Folha – Há uma previsão de quando começará esse trabalho de grafitagem?

Alvarez – Acreditamos que na semana que vem ou na outra. Vale ressaltar que, na nossa gestão, já que a gente tem uma cobrança como artista, lá no passado, queremos como diferença para essa gestão a participação popular, através dos conselhos, que são formados pela sociedade civil, para que possa acrescentar na nossa gestão. Vamos dar importância para a sociedade civil para que ela possa participar dessa gestão, com ideias, e com coisas que venham somar para o município de Cabo Frio. 

Folha – O prefeito já colocou os planos que ele tem para a Morada do Samba, a respeito do Centro de Feiras e Eventos. Ali é um espaço da Cultura, criado para servir de barracão das escolas de samba. Qual vai ser o papel da Cultura na reordenação daquele espaço?

Clarêncio – Teremos uma reunião com o prefeito e, dentre outros assuntos, a renovação da Morada do Samba está pautada. Nesse momento, não tenho como falar qual será a definição para aquele espaço, mas com certeza vai ser alguma coisa em prol da Cultura local. 

Folha – Quando foi anunciado o primeiro escalão, houve muitos elogios pelo número de mulheres e pela diversidade racial. Qual sua opinião sobre isso e quais os planos para ações de Cultura negra no município?

Clarêncio – Essa iniciativa do prefeito, acho que é inédita. Isso deu uma repercussão muito grande em todo âmbito nacional. Essa diversidade de secretários foi uma medida inteligente que o prefeito, dentro dessa visão cultural que ele tem. Com relação ao Movimento Negro, o prefeito vai ter um encontro [realizado nesta quarta, 13] com o cônsul de Angola e o cônsul de Cabo Verde. Nosso superintendente para assuntos afros, Manoel Justino, a partir da semana que vem, vai se reunir com associações de movimento negro e mais a secretaria de Educação vai sentar-se para elaborar o projeto da Semana Teixeira e Sousa, que pretendemos que seja em âmbito nacional, mobilizando a rede hoteleira da cidade, todos os artistas, e as secretarias afins. Vamos anunciar quando esse trabalho estiver iniciando. Toda a programação vai ser on-line. Vamos começar a trabalhar nesse propósito.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.