Assine Já
domingo, 07 de março de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27215 Óbitos: 935
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3258 33
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7501 359
Iguaba Grande 2573 58
São Pedro da Aldeia 3610 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Preservação

Cidades da Região dos Lagos estão entre as que menos preservam

Ranking de desflorestamento aponta resultados dos últimos 10 anos

16 novembro 2015 - 10h19Por Nicia Carvalho

Em tempos de debates sobre consciência ambiental, as cida­des da Região dos Lagos parecem não fazer o dever de casa. Exem­plo é o estudo sobre desfloresta­mento da Mata Atlântica, entre os anos 2000 e 2014, em que ne­nhum município da região figura entre os que menos desmatam. Para piorar, Araruama aparece em terceiro lugar no ranking da pesquisa realizada pela Fundação SOS Mata Atlântica.

– Temos dois problemas na região: a pressão do mercado imobiliário, que é muito forte, e as queimadas para pasto de ca­valos, por exemplo, e que ser­vem também para invasão para construção de casas. Se não com­bater estas ações não há como preservar. Falta participação da sociedade com denúncias – ava­liou André Cavalcanti, chefe do Parque Estadual da Costa do Sol, que é ligado ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

De acordo com a pesquisa, a cidade de Resende, no Sul Flu­minense, aparece em primeiro lugar no desmatamento. O Rio, capital do estado, figura na quar­ta posição, com apenas 18% de vegetação natural da Mata atlân­tica. Entre as que mais preservam destaque para Angra dos Reis, na Costa Verde, que mantém a maior proporcionalidade de área do bioma preservada, com 80,1% de vegetação natural em com­paração com a área original. A pesquisa avaliou como vegetação natural, além das florestas nati­vas, refúgios, várzeas, campos de altitude, mangues, restingas e dunas.

Preservação – Além da lista das cidades que mais preservam ou desmatam, a Fundação lançou o site “Aqui tem mata”, com in­formações sobre o desmatamen­to em mais de 3,4 mil cidades de 2013 a 2014. O internauta pode realizar buscas por localidade, gráficos e mapas interativos, que poderão ser utilizados em tablets e celulares. Um Atlas dos muni­cípios está em fase em fase de elaboração com dados dos últi­mos 14 anos.