Assine Já
domingo, 17 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
Cidade Viva

Cidade Viva Verão debate planejamento e problemas imediatos

Encontro aconteceu ontem na sede da Folha e reuniu personalidades de diversos segmentos da sociedade

13 janeiro 2017 - 01h03
Cidade Viva Verão debate planejamento e problemas imediatos

Se, como reza o dito popular, Cabo Frio atualmente ‘vende o almoço para comprar a janta’, isso não significa que a cida­de não tenha que ser repensada também para o médio e o longo prazos. O Planejamento Estra­tégico e, em especial, o ordena­mento urbano da cidade foram o mote do segundo painel do ‘Cidade Viva Verão’, projeto da Folha dos Lagos apoiado pela Associação Comercial e Indus­trial de Cabo Frio (Acia) e pela Prolagos.

Além de representantes do setor hoteleiro, do empresariado de um modo geral e de entida­des como a Associação dos Ar­quitetos e Engenheiros (Asaerla) participaram do debate três inte­grantes do governo municipal: o secretário de Desenvolvimento da Cidade, Cláudio Bastos; o co­ordenador de Postura, Gilson da Costa e o subsecretário de Mobi­lidade Urbana e Ordem Pública, Mauro Branco.

Cláudio Bastos falou das ações que foram realizadas nos primeiros dias de governo, ga­rantiu que realizará o recadastra­mento dos vendedores ambulan­tes apenas após o Carnaval, mas também disse que não abrirá mão da reordenação de pontos-chave da cidade na alta temporada, como a Praia do Forte. Segundo ele, práticas que vigoraram nos últimos anos como a terceiriza­ção de pontos e a distribuição política de licenças serão aboli­das. O comércio em carrinhos e em barracas à beira-mar também está sendo regulado.

– O último recadastramento foi em janeiro de 2015. Quem tem cadastro, mesmo que venci­do, estamos deixando trabalhar; quem não tem, estamos retiran­do porque não tem direito ne­nhum. A gente fica triste e cha­teado, mas onde tem desordem vira o caos – comentou Bastos.

Mas se os representantes do poder público municipal fala­ram, também ouviram bastante. Empresários e técnicos reafir­maram interesse em ajudar o go­verno, mas também cobraram o planejamento de uma agenda de ações para os próximos anos sob pena das atuais iniciativas do co­meço de mandato serem como ‘enxugar gelo’.

– Nós queremos uma melhora em Cabo Frio, mas uma melhora contínua. Não que seja apenas um estopim de momento. Fize­mos aqui, melhoramos e depois voltamos ao estágio inicial. Nós precisamos hoje é de planeja­mento – comentou o vice-pre­sidente do Convention Bureau, Radamés Muniz.

Aumento de taxas para ônibus de excursão

Durante o encontro, o sub­secretário de Mobilidade Urba­na, Mauro Branco, anunciou o aumento no valor da taxa para os ônibus de excursão que che­gam ao Terminal Rodoviário da Avenida Wilson Mendes, mas apenas para aqueles que trazem grupos que passam o dia na ci­dade (chamado de ‘turismo so­cial’) ou se instalam em casas de aluguel.

No primeiro caso, o valor pas­sou de R$ 1 mil para R$ 5 mil e no segundo, de R$ 200 para R$ 1 mil. Branco negou que a iniciativa seja para restringir o acesso à cidade.

– A lógica é trazer receitas para o município, visto que hoje estamos num período muito di­fícil. E estamos majorando as ta­xas por causa dessa razão – afir­mou o subsecretário.