Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cidade Viva

Cidade Viva: Hotelaria quer redução do IPTU

Setor exige cumprimento do Plano Diretor na cidade

24 março 2017 - 07h16
Cidade Viva: Hotelaria quer redução do IPTU

Os hoteleiros de Cabo Frio, on­tem, no fórum de ideias Cidade Viva, definiram como prioridade para o setor a revisão da tributa­ção aos estabelecimentos. Eles também criticaram benefícios aos novos empreendimentos, enquan­to a rede tradicional “amarga altas tarifas, especialmente de IPTU”. Eles querem redução de pelo me­nos 35% neste tributo.

No encontro realizado na sede da Folha, os representantes da área condenaram, ainda, negocia­ções que estariam sendo feitas para a instalação do Hotel Ibis em Cabo Frio, na Avenida Júlia Kubs­tchek, em prédio de dez andares, o que contraria a legislação atual.

– Isto seria rasgar o Plano Di­retor em vigor – disparou Renato Marins, conselheiro da Associa­ção Brasileira de Indústria Hote­leira (ABIH), com o apoio imedia­to do engenheiro Marco Antônio Pereira, diretor da Associação de Arquitetos (Asaerla).

Renato Marins reapresentou um projeto de 2002 da Associa­ção de Hotéis, que tem por finali­dade estimular o turismo de curta distância, num raio de 300km. O projeto requer o apoio de todas as entidades de Cabo Frio, mas, especialmente da Prefeitura, na divulgação dos eventos da cidade, principalmente os de fim de sema­na. O mesmo projeto cria bandei­ras de incentivos a cada trimes­tre. Em março, abril e maio, por exemplo, o foco seria a terceira idade, enquanto no trimestre se­guinte as festas tradicionais – pro­fanas e religiosas – e, também, o calendário esportivo.

Neste mês de março a ocupação hoteleira está em torno de 80%, mas, a partir de abril, a tendência é de redução. Com o projeto apre­sentado, estima-se uma ocupação média de 50%, segundo Renato Marins. Mas Radamés Muniz lembra que o ideal seria obter pelo menos 60%. Renato e Radamés anunciaram, durante o fórum, que a Associação de Hotéis, em breve, será reativada, com expectativa de solicitar do governo municipal a inclusão da entidade no Conselho de Planejamento (Consepa).

IPTU – Como sempre, o im­posto fez parte das discussões, tornando-se o principal tema do encontro, quando se definiu que a redução do tributo para a rede hoteleira deveria ficar em torno de 35%, mas que isso seja resultado de uma rigorosa revisão na legis­lação atual. Polemizando bastan­te, o assunto Hotel Ibis não passou em branco. Os hoteleiros rejeitam concessões, como permissão de edifício de 10 andares, quando o Plano Diretor tem definido máxi­mo de cinco. Além disso, segundo Radamés Muniz, o Ibis, no for­mato que tem sido divulgado, não interessa ao trade turístico, por ser uma bandeira econômica, “visto que a gente quer hotéis que tra­gam grandes salas de convenções, como os recém inaugurados Oá­sis, Paradiso Corporate e o Interci­ty, que está em construção na Ave­nida Nossa Senhora da Assunção.

Por fim, o debate do Cidade Viva de ontem apresentou duas reivindicações: retomada imediata da Guarda Municipal Turística e a criação de pontos de embarque e desembarque de turistas (vans) nos diversos pontos turísticos, es­pecialmente na Rua dos Biquínis, na Gamboa. O debate sobre os novos rumos da hotelaria, além de Radamés Muniz e Renato Martins, contou com a participação do en­genheiro Marco Antônio Pereira, da Asaerla, Walmir Venceslau, da Acia, Diego Andrade, da Delega­cia do Conselho de Contabilidade, além do jornalista Wagner Pinhei­ro, do comunicador Roberto Oli­veira e, ainda, de Walter Farias.

O outro lado – A Folha do Lagos ouviu a secretária de Turis­mo, Fabíola Bleiker, que elogiou a retomada do projeto de fomento do turismo de curta distância, as­sim como aplaudiu reivindicações como a retomada da Guarda Tu­rística e criação de pontos de em­barque e desembarque de turistas em diversos pontos. Com relação à redução do IPTU e a oposição ao projeto Ibis, Fabíola disse que se trata de questões técnicas, que dependem de nova oportunidade para melhor se pronunciar. Mas ela elogiou a postura dos hotelei­ros e convidados do fórum, dizen­do que “o debate e a participação são os caminho mais curtos para desenvolver o turismo”.