Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Andinho

Cassação de Andinho leva incerteza ao cenário político-eleitoral de Arraial

Presidente da Câmara terá 30 dias para convocar eleição indireta, mas ele ainda não foi notificado

03 setembro 2016 - 12h33Por Rodrigo Branco | Arquivo Folha
Cassação de Andinho leva incerteza ao cenário político-eleitoral de Arraial

A confirmação do afastamento do prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito (PMDB), pelo TSE na noite de anteontem era o ingrediente que faltava para apimentar ainda mais o cenário político da cidade, já bastante agitado por causa das eleições municipais.

Com a saída de Andinho, condenado juntamente com o vice-prefeito Reginaldo Mendes pelo colegiado do Tribunal há cerca de 20 dias por abuso de poder político, quem assume interinamente por 30 dias é o presidente da Câmara, Luciano Tequinho (PPS), que terá a missão de convocar eleições indiretas entre os vereadores para um mandato tampão até o fim do ano. Até o fechamento desta edição, contudo, a Câmara não tinha sido notificada da decisão.

Com isso, na prática, criou-se um processo eleitoral dentro da própria campanha de eleição direta para escolher o substituto de Andinho. Nos bastidores, a informação é que os fatos ainda são recentes e o cenário não foi devidamente analisado. Mesmo na oposição, o discurso é de cautela e de conciliação.

– Não conversamos ainda sobre isso. Temos que esperar até porque a Câmara não foi notificada e isso deve ficar para depois das eleições, que devem influenciar na escolha do nome. Temos que fazer uma transição correta e justa porque Arraial não pode perder. Acho que o consenso e o diálogo devem prevalecer – disse o vereador Ayron Freixo (PRB).

A reportagem tentou entrar em contato com o líder do governo na Casa, Júnior Piolho (DEM), mas ele não atendeu as chamadas. Cumprindo agenda no Rio, Tequinho não foi localizado para falar do caso.

Prefeitura se posiciona – Até o fechamento desta edição a Prefeitura afirmava que não tinha sido notificada da publicação do acórdão. Em texto postado no Facebook, disse que “cabe recurso para discutir a execução da decisão e a própria”. Apesar disso, Andinho terá que fazê-lo fora do cargo.
Segundo o TSE, Andinho foi condenado pela entrega de certidões de lançamento do IPTU a moradores de distritos e áreas carentes da cidade a 15 dias das eleições de 2012, a fim de regularizar moradias em áreas de invasão, inclusive construídas em áreas de proteção ambiental.

Prefeitáveis se dividem sobre efeitos da cassação no processo eleitoral

A publicação do acórdão do TSE que afastou definitivamente Andinho do cargo de prefeito de Arraial repercutiu muito no meio político cabista, sobretudo, junto aos prefeitáveis da cidade.

O candidato do governo à Prefeitura, Walter Lúcio Tê (PMDB), que é primo de Andinho, considerou a punição ‘injusta’, mas disse respeitar a decisão judicial. Tê disse que não cabe a ele responder se os adversários vão explorar a cassação eleitoralmente.

– O prefeito Andinho foi punido por ajudar o povo ao querer dar dignidade às famílias que vivem anos e anos sem documentação de suas casas. Mas, se a Justiça entendeu por outro lado, temos que respeitar mesmo que não estejamos de acordo – disse.

Por meio de sua assessoria, Renatinho Vianna (PRB) se limitou a dizer que o afastamento do prefeito vai afetar o processo eleitoral, mas negou que vá se candidatar na eleição indireta da Câmara.

Já José Bonifácio (PDT) afirmou que a cassação do prefeito não influencia a sua campanha. “Sabemos que a máquina ajuda, mas estamos no mesmo ritmo”, disse.