Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8312 Óbitos: 427
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 491 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
Caxumba

Casos suspeitos de caxumba são descartados em Cabo Frio

Após testes, 30 casos investigados deram resultados negativos

04 agosto 2015 - 08h04

Nicia Carvalho

 

A secretaria de Saúde de Cabo Frio descartou a possibili­dade de caxumba nos mais de 30 notificações que eram investiga­das pela pasta. Os testes para a doença apresentaram resultado negativo e a maioria das ocor­rências aconteceu em escola do segundo distrito. Até o momen­to, o município confirmou ape­nas seis casos da doença.

Por meio de nota, a secretaria de saúde informou que “a orien­tação da Secretaria Estadual de Saúde é manter a rotina de vaci­nação e aguardar, completando as cadernetas incompletas. Não existe orientação – por enquanto – para vacinação em massa. No município não houve aumen­to considerável no número de crianças com a doença”.

No início do mês passado, o estado do Rio contabilizava um óbito e 606 casos no primeiro semestre do ano, o que levou as autoridades sanitárias do estado a acreditar em surto da doen­ça. Em seis meses o número já é maior do que o total de casos registrados no ano passado, que foi de 561 doentes.

Vacinar é prevenção

A eficácia da vacina contra caxumba é de 97%, segundo es­pecialistas, e a maioria de casos informados ao estado devem ser de pessoas que ainda não haviam sido imunizadas. Apesar de efi­ciente há quem defenda defenda aplicação da 3ª dose da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubé­ola) para a faixa etária de 10 a 19 anos, que são os jovens mais atingidos pela doença no esta­do. Entre as complicações da caxumba estão a meningite viral e esterilidade, casos apontados como mais raros, e encefalite.

Atualmente, a imunização é feita em duas etapas: a primeira quando a criança completa um ano de idade e a segunda, com um ano e três meses, diferente­mente do que se fazia décadas atrás, quando a segunda dose era aplicada entre 4 e 6 anos.

Caso um adulto tenha tomado apenas uma dose, pode tomar a segunda e se não tomou nenhu­ma deve tomar as duas respeitan­do intervalo de 30 a 60 dias entre elas. Não há registros de que uma pessoa tenha tido caxumba mais de uma vez na vida.