Assine Já
quarta, 08 de julho de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 261 601 41
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 959 61
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 17 500 18
Saquarema 7 518 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
caso anasa e priscila

Caso Anansa e Priscila: Familiares fazem carreata

Protesto segue até a Deam; defesa realiza diligências para provar inocência

26 junho 2015 - 09h02

NICIA CARVALHO

Indignados com a falta de investigação sobre as acusações sofridas por Anansa Gonçalves, 35, e Priscila Monteiro, 32, familiares e amigos promovem passeata com carreata amanhã, 14 horas, no Jardim Esperança. O protesto parte da porta da Igreja Metodista do bairro e segue em carreata até a Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). O motivo é a falta de investigação sobre as alegações da suposta vítima, Raquel Marinho, 35.

– Vamos exigir que as acusações da vítima sejam apuradas. A família vê falhas na acusação. Até agora ela não veio a público explicar como o fato ocorreu: tinha testemunha? Como aconteceu? Aonde? Só se sabe que ela estava chorando ao lado do carro, não tem explicações – questionou o pastor Herlon Romão, líder há 17 anos da Igreja Metodista do bairro.

A advogada das acusadas, Camila Mendes, por sua vez, informou que vai realizar diligências para provar a inocência das duas mulheres e que aguarda a qualquer momento decisão do tribunal sobre o pedido de habeas corpus, solicitado no início desta semana. Além disso, pressiona a Vivo, operadora de telefonia móvel, a apresentar o histórico de ligações no qual a vítima se ampara para corroborar a verão dela sobre o caso.

– Acredito que até o fim da semana saia decisão sobre a liminar de soltura. Minhas clientes negam a acusação e vamos realizar algumas ações para comprovar a inocência delas. Além disso, queremos o registro telefônico porque a vítima sustenta sua versão desta forma – explicou a advogada.

Moradoras do Jardim Esperança, Anansa e Priscila foram transferidas da Delegacia de Arraial do Cabo para o Complexo Penitenciário de Gericinó, Bangu 8, no início desta semana. O motivo foi o pedido de prisão temporária, de 30 dias, feito pela titular da Delegacia da Mulher , delegada Cláudia Faissal.

*Leia a matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta sexta. 

Saiba Mais:

Delegada afirma que prisão de Anansa e Priscila é legal