Assine Já
sexta, 30 de julho de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
10ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46181 Óbitos: 1868
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5463 57
Arraial do Cabo 1574 87
Cabo Frio 12663 757
Iguaba Grande 4763 115
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Casas de aluguel na mira da Asaerla

Entidade cobra fiscalização e diz que está em busca de evitar tragédias por falta de segurança

22 fevereiro 2019 - 11h30
Casas de aluguel na mira da Asaerla

TOMAS BAGGIO

A preocupação com a segurança nas casas de aluguel para temporada em Cabo Frio fez a Associação dos Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (Asaerla) divulgar uma carta ontem cobrando providências na fiscalização dos imóveis. Segundo o presidente da instituição, engenheiro Luiz Sérgio Santos Souza, a lei sobre o assunto aprovada no ano passado tem falhas. Ele cobra mais rigor na fiscalização.

– Há bastante tempo a Asaerla tem visto com preocupação essa proliferação de casas de aluguel para excursões em Cabo Frio. Em 2009 inciamos um trabalho junto com o Ministério Público, que culminou com a lei aprovada no ano passado de regulamentação das casas de aluguel. Mas (a lei) não é o que nós esperávamos. A lei, a nosso ver, tem muitas falhas. As responsabilidades não estão sendo devidamente assumidas. E, além do mais, deram 20 meses para a regularização das casas de aluguel, só que nesse período você que vários outras casas de aluguel surgiram na cidade sem observar se as que existiam anteriormente já estão legalizadas – disse o presidente da Asaerla.

Segundo ele, a preocupação com o tema voltou à tona após a tragédia no Ninho do Urubu, o centro de treinamento do Flamengo, que resultou na morte de dez jogadores das categorias de base do clube. 

– A associação que representa as casas de aluguel nos informou que as casas que estão ligadas a eles estão totalmente legalizadas, com ‘nada a opor’ do Corpo de Bombeiros e CNPJ junto à Prefeitura. Isso é bom, mas a nossa preocupação é com as novas casas que estão surgindo sem atender as legalidades. Nossa preocupação é com a segurança. Estamos vendo o que acontece por aí, Brasil a fora, como foi no caso do Flamengo. Então nós estamos fazendo a nossa parte, que é denunciar – disse ainda o engenheiro Luiz Sérgio Santos Souza.

A reportagem da Folha enviou um pedido de posicionamento por parte da Prefeitura de Cabo Frio, sobre a carta emitida pela Asaerla, em relação à responsabilidade do Poder Executivo na fiscalização das casas de aluguel. A Prefeitura respondeu que só poderia se pronunciar hoje sobre o assunto.
Mesmo após um ano da aprovação, na Câmara Municipal, da lei 2.916/2018, que regulamenta o setor, o assunto permanece sendo discutido em reuniões realizadas por empresários do ramo da hotelaria e pelo governo municipal. Para os representantes de entidades do setor turístico, a atual legislação precisa ser modificada, mesmo com o prazo de 20 meses, que vence em outubro deste ano, para a adequação dos imóveis, segundo o texto da lei.

No mês passado o presidente da Associação de Hotéis, Gastronomia, Comércio e Turismo de Cabo Frio, Carlos Cunha, disse que há trechos na lei que são inconstitucionais. O empresário defende ainda que seja exigido um alvará municipal de funcionamento dos imóveis como hospedagem de pessoas e não o Cadastur, cadastro feito junto ao Ministério do Turismo.

– Não é nada contra as casas de aluguel. Há pessoas que alugam para famílias e casais. O que a gente combate é o turismo predatório. Casas onde ninguém mora e recebem ônibus, que só deixam lixo e não gastam na cidade. A lei tem que ser revista e as casas que quiserem se adequar serão bem-vindas. Mas, atualmente, como presidente de entidade, não posso compactuar com meio de hospedagem irregular – disse Cunha.

Também crítica ao turismo de massa, a presidente do Convention & Visitors Bureau de Cabo Frio, Maria Inés Oliveros concordou com Carlos Cunha.

– Já tem uma fiscalização, mas é preciso um ajuste urgente, que passa por mais fiscalização do poder público. Não é um trabalho do dia para noite. Essa discussão tem fazer parte do Plano Diretor, em que a iniciativa provada tem que estar presente – pontuou.

Do outro lado da questão, o presidente da Associação de Proprietários de Imóveis de Temporada de Cabo Frio (APIAT), Roberto de Oliveira, disse que a maior parte dos imóveis já estão de acordo com as exigências da lei. Ele afirma que há donos de pousadas que também alugam casas e rebateu as críticas.

– Nosso público não é o público de pousada. Ele é de menor poder aquisitivo. É ledo engano achar que eles trazem mercadorias e não consomem nada. Sobre a situação dos ônibus no trânsito, a Prefeitura tem que ser convidada pela população porque existe uma área de atrito entre as pessoas que alugam casa para famílias e para ônibus de excursão – disse Roberto Bigode, como é conhecido.

Em nota enviada na ocasião a Prefeitura informou que o assunto está em pauta no Conselho Municipal de Turismo e que uma comissão formada com representantes do trade turístico, secretarias municipais e com as entidades representativas das casas de aluguel iria tratar do tema.