Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
entrevista

Carol Midori: 'A cobrança agora está bem maior’

Do alto dos 1.132 votos, a ativista Carol Midori agora espera mais apoio para causa do animais abandonados

11 outubro 2016 - 00h39Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Carol Midori: 'A cobrança agora está bem maior’

Com uma campanha baseada no trabalho voluntário e com pou­ca estrutura, a ativista da causa animal Carol Midori surpreendeu muita gente, inclusive ela própria, ao obter na votação municipal 1.132 votos. Ela ficou apenas com a terceira suplência da coligação, mas deixou para trás políticos ex­perientes como Marcello Corrêa (PP) e Emanoel Fernandes (PRP) que tentavam a reeleição.

Em entrevista à Folha, Carol disse que, apesar do resultado, ainda não recebeu qualquer ajuda para seu trabalho na ONG Apai­xonados por Bichos, mas deve assumir alguma coordenadoria para tratar do problema dos ani­mais abandonados caso Marqui­nho consiga na Justiça o direito de governar a cidade.

– Ele prometeu dar uma estru­tura melhor para a gente – disse.

Folha dos Lagos – Esperava uma votação como essa?

Carol Midori – Comecei o dia da eleição muito triste por­que tinha certeza que teria uma votação decepcionante. Não tive estrutura nenhuma de campanha. Foi uma campanha muito amado­ra, na base dos amigos. Quando começou a apuração e de início eu estava em sexto lugar, quase tive um ataque, a família quase enfartou. Foi muito intenso, mui­to inesperado. Quando encerrou a votação e que eu vi 1.132 votos, foi uma surpresa. Nem o pessoal mais próximo acreditou que terí­amos esses votos, sem recursos.

Folha – A que você atribui esse resultado?

Carol – Acho que foram algu­mas coisas. Primeiro foi o públi­co ter confiado em mim, no meu trabalho. Sempre fiz por amor, sem pretensão nenhuma. Nunca tinha pensado em vir candida­ta ou qualquer coisa. Acho que essas pessoas viram em mim al­guém confiável, com credibilida­de e um histórico de trabalho para mudar a situação dos animais de rua de Cabo Frio. Em segundo lugar, eu tive o apoio de todas as protetoras e de todo pessoal que gosta da causa. Esse pesso­al apoiou, me acolheu e ajudou a divulgar no boca a boca mesmo, vendo que era um trabalho sério e honesto. Sabendo que tem uma protetora que já dedica a sua vida a isso, no seu dia a dia ,sem rece­ber nada em troca, imagina tendo uma pessoa dessa lá na Câmara.

Folha – Qual o impulso que essa votação pode dar ao seu trabalho a partir de agora?

Carol – Espero que traga coi­sas boas porque até então quando eu falo ONG as pessoas pensam que temos uma grande estrutura e não é o que acontece. Sou pra­ticamente eu sozinha, com pou­cos colaboradores e o abrigo é no quintal da minha casa. Eu que corro atrás para pagar as despe­sas veterinárias. Espero que, com essa votação, a Prefeitura olhe com mais atenção a causa e tenha o interesse em colocar em práti­ca os meus projetos mais urgen­tes como a castração gratuita, um veterinário popular, a reforma do canil e a construção do gatil que é essencial aos municípios.

Folha – Que estrutura de campanha teve à disposição?

Carol – O único material que eu tive foram os meus santinhos. Uma parte dada pelo partido e a outra feita de uma vaquinha do meu pai e do meu marido. Alguns adesivos de carro e uma caixinha de som era tudo que tínhamos.

Folha – E muita força de vontade para bater perna...

Carol – Todo dia eu saía de casa às 9 horas e voltava 11 horas da noite batendo perna mesmo, panfletando de rua em rua e gas­tando sola de sapato. Era o que tinha nas mãos. E divulgar nas re­des sociais. Minha campanha foi isso: rede social e panfletagem.

Folha – Você já conversou com Marquinho sobre apoio dele ou mesmo um cargo no go­verno, caso ele assuma?

Carol – Depois da campanha ainda não conversamos. Falei com ele antes das eleições. Ele já tinha um comprometimento comigo que, mesmo que eu não entrasse como vereadora, me pu­xaria para resolver essa parte dos animais de rua, porque sabe que é uma coisa que entendo muito e estou no dia a dia. Sei tudo o que a gente precisa ali. São mui­tos animais de rua abandonados e a gente não tem como dar conta. A Prefeitura tem que intervir. Ele prometeu dar uma estrutura me­lhor para a gente.

Folha – A cidade ganhou uma nova política ou você enxerga na política só um meio de conseguir levar sua causa adiante?

Carol – Acho que os dois. Eu vejo na política uma das únicas formas de ter voz e força de co­brar o poder público algo para os nossos animais. Devido a isso eu tenho que entrar nesse meio polí­tico. Não pretendo desistir.

Folha – Como está o assédio?

Carol – Uma loucura. Rece­bo umas 700 mensagens por dia, muitas de parabéns. Mas também já sofri uma cobrança muito gran­de. Recebo quase 100 mensagens por dia de pedidos de ajuda e in­felizmente a minha vida continua a mesma. A gente ainda não al­cançou uma estrutura para cuidar desse animais. Continuo a mesma Carol de sempre, lotada de animais em casa e de dívidas.