Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Carlos Magno

Carlos Magno: '‘Ser transparente é obrigação’

Procurador-geral de Cabo Frio também afirma que prioridade inicial é negociação salarial com servidores

12 janeiro 2017 - 00h43Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Carlos Magno: '‘Ser transparente é obrigação’

Enquanto o procurador-ge­ral de Cabo Frio, Carlos Magno de Carvalho concedia entrevista em uma sala anexa ao gabinete do prefeito Marquinho Mendes, funcionários avançavam na or­ganização das pastas que contêm processos que podem resultar em novos golpes aos já combalidos cofres do município. É justamen­te por isso que a organização do espaço físico está sendo a priori­dade número um dos primeiros dias de trabalho do advogado, juntamente com a negociações de acordos para o pagamento dos servidores. Nessa entrevista, ele fala dos planos para a Procurado­ria, do decreto de emergência e da necessidade de transparência.

– A contabilidade é pública. Tem que ser transparente porque tem que ser transparente.

Folha dos Lagos – Já dá para ter uma noção do universo de processos existentes?

Carlos Magno – Não, porque não nos foi deixado o acervo pro­cessual. Nossa sorte é que o Judi­ciário estava em recesso e agora está paralisado pela greve dos servidores, mas a situação é mui­to crítica. Nós temos muito pro­cesso, muita dívida. Estou preo­cupadíssimo com a situação dos precatórios, dos bloqueios que já foram feitos nas contas, mas acho que isso em dois meses re­solveremos e já passaremos para a população um quadro geral.

Folha – O secretário de Fa­zenda, Clésio Guimarães, disse que os precatórios são ‘uma espada sobre a cabeça’. Como isso está no campo jurídico?

Magno – Eu não sei. Por conta própria, estou tentando uma reu­nião com o presidente do Tribunal de Justiça (desembargador Mil­ton Fernandes de Souza). Sei por alto que é uma dívida em torno de R$ 120 milhões e que a qual­quer momento o município pode sofrer um bloqueio em decorrên­cia dela. Estou priorizando algu­mas situações. A primeira delas é fisicamente ter um local adequa­do para trabalhar tanto aqui como na Procuradoria, no Braga. Com essa instalação física, eu já estou partindo para aquilo que eu acho os pontos primordiais da nossa atuação: a descoberta dos prazos em aberto e uma reunião com o Ministério Público para tratar de todos os assuntos de interesse daquele órgão, como ofícios que não foram respondidos. Hoje, dentro da Procuradoria, posso di­zer que ainda estou atuando em voo sem piloto, mas em dois me­ses eu boto isso tudo em dia.

Folha – Durante esse dois meses o município pode ser pego desprevenido, então?

Magno – É praticamente im­possível ter uma noção do que vai acontecer, mas eu garanto que estou montando todas as defesas. Minha equipe está fazendo o le­vantamento dos processos que se­riam mais iminentes e perigosos.

Folha – Passada a etapa ini­cial, quais os planos?

Magno – Arrecadar. Estou fazendo tudo para que a Dívida Ativa funcione na sua plenitude. O terceiro ponto é uma reunião institucional, com o Poder Judi­ciário e com o MP. Vou criar um órgão na Procuradoria só para atender ofícios do MP. Quero ter com todos os promotores uma relação de cooperação e transpa­rência. Vou tentar reunião com os juízes e oficiais de justiça, dei­xar uma equipe especializada só para recebê-los. Na Saúde, deixei quatro procuradores na área jus­tamente para que a gente dê uma celeridade a essas demandas.

Folha – Em relação ao decre­to de emergência, houve ressal­vas pedindo transparência. O que tem a dizer sobre isso?

Magno – Essa data de posse é ruim para o país todo. Assumimos na passagem do ano, quando há um vácuo de poder de meia-noite até a posse. Numa cidade onde, no verão, a população quadrupli­ca, não há como licitar. Ninguém está fugindo da licitação. Pelo contrário, você tem que contratar emergencialmente. Esse decreto é feito com base na lei para poder dar continuidade aos serviços es­senciais. É uma situação atípica. O decreto é claro. Inclusive, esses processos serão remetidos ao MP e ao Tribunal de Contas. E mais: tão logo a gente consiga estabili­zar isso, abriremos licitação para tudo. Essa é uma situação que a própria lei prevê; senão para tudo, morre gente, o lixo fica entulhado, porque os contratos geralmente acabam no dia 31 de dezembro.

Folha – Qual a sua visão so­bre as críticas em relação a pro­posta para as outras categorias comparada à da Educação?

Magno – A proposta das ou­tras categorias foi feita de acor­do com as categorias porque a Educação tem verba própria. As outras categorias não têm, temos que tirar dos recursos próprios da Prefeitura. Ficamos quatro horas discutindo e veio uma significa­tiva representatividade. O deba­te foi aberto e amplo. No mês anterior, falei que eu não podia prometer que vou pagar no dia 5 para não entrarem em greve. Isso é falso. Eu não sei se no dia 5 eu vou poder pagar. Mas vou fazer um ofício logo no primeiro dia e vamos conversar. O problema do servidor é prioritário. Não vamos a lugar nenhum com servidor em greve. Agora, o servidor também tem que ter sua linha de contri­buição para essa administração que está chegando agora.

Folha – Como será a questão da transparência no governo?

Magno – Os princípios da administração pública como le­galidade, impessoalidade, trans­parência e eficiência são princí­pios constitucionais. O dinheiro que está aqui não é meu, não é seu, é nosso, do povo. Acho que isso é uma obrigação, tem que ser transparente. Nós temos que mostrar quanto entra, quanto sai. Todo mundo tem que saber. E hoje a população tem uma série de instrumentos para isso. Tem Lei de Acesso, tem Ministério Público e nós não precisamos disso. A contabilidade é pública. Tem que ser transparente porque tem que ser transparente.