Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
ideologia de genero

Câmaras vetam metas e estratégias sobre no Plano Municipal de Educação

Em Cabo Frio e Arraial vereadores aprovam veto por unanimidade

23 junho 2015 - 12h05
Câmaras vetam metas e estratégias sobre no Plano Municipal de Educação

NICIA CARVALHO E RODRIGO BRANCO

Não teve surpresa a votação, ontem, em Cabo Frio e Arraial do Cabo, do Plano Municipal de Educação (PME), que norteará o setor pelos próximos dez anos. Por unanimidade, as Câmaras de Vereadores aprovaram emendas supressivas que retiraram do texto original metas e estratégias que previam educação combativa na discriminação de gênero.

Em Cabo Frio, por 16 a 0, diversos parlamentares defenderam a formação original da família como motivo para a retirada do tópico, enquanto em Arraial, o novo texto foi aprovado por nove a zero. Na votação da última quinta-feira, sete vereadores, sem conhecimento do teor do plano, aprovaram às pressas o documento.

Ao fim da sessão em Cabo Frio, o presidente da Casa, Marcello Corrêa (PP), antecipou que o prefeito Alair Corrêa (PP) iria manter o veto dos vereadores. Com apoio da assistência que estava lotada de representantes católicos e evangélicos, além de estudantes, todos os vereadores que usaram a tribuna na destacaram que a inclusão da discussão sobre identidade de gênero seria um “desrespeito à família” e uma supressão de direitos já adquiridos. A cada defesa acalorada, seguida de aplausos dos presentes, diversos termos foram cunhados para definir e expressar a rejeição da discussão sobre gêneros como proposta de políticas públicas.

– A inclusão do tema no plano seria uma forma de combater a discriminação de gênero e garantir direitos. Ninguém quer tirar nada de niguém – defendeu a estudante Rafaela Corrêa, 17, secretária-geral da Associação de Estudantes do Estado do Rio de Janeiro (Aerj).

*Leia matéria completa na edição impressa desta quarta-feira na Folha.