Assine Já
sábado, 24 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Servidora

Caso Caixa: o dia seguinte à fúria

Maria da Conceição relata trauma e Câmara Municipal reage

16 setembro 2015 - 11h29

FERNANDA CARRIÇO, NICIA CARVALHO

 

“Servidora: Já coloquei a cha­ve, o celular, já abri a bolsa para o senhor ver. Por favor, me deixe entrar, eu preciso receber. O que vou ter que fazer? Vou precisar tirar a roupa para entrar?

Vigilante: Continua apitando. Tem que tirar a roupa, então”.

O diálogo relatado por uma voz triste e envergonhada foi o estopim de uma cena lamentá­vel protagonizada pela servido­ra Maria da Conceição Santos Silva, 53 anos. Ela tirou a rou­pa e ainda assim não conseguiu entrar, na tarde da última segun­da-feira, na Caixa Econômica Federal, da Avenida Assunção, no centro de Cabo Frio, porque passou mal já que era hiperten­sa. Como saldo, além de mais manchas à reputação da agên­cia, a unidade ainda vai receber moção de repúdio da Câmara de Cabo Frio.

A iniciativa foi do vereador Emanoel Fernandes (Pros), que vai apresentar o requerimento na sessão de amanhã. Ele também é autor de Projeto de Lei 65/2015, que tramita desde maio na Co­missão de Constituição e Justiça (CCJ), e que determina a coloca­ção de guarda-volumes com es­caninhos, de forma gratuita, em agências bancárias dotadas de porta com detector de metais. O PL, que prevê ainda multa de R$ 1.000,00 “a ser aplicada em dobro, progressivamente, nos ca­sos de reincidência”, está na fila de projetos da Casa que aguarda sanção do prefeito Alair Corrêa.

– Peço medida de urgência na moção de repúdio contra a Caixa pelo constrangimento. Os agentes são despreparados, mal-educados e não sabem o que é atendimento prioritário. Tenho relato de pessoas que passaram por situações assim, como uma família que também teve que tirar a roupa do bebê porque a porta apitava. Eu mesmo já tive que deixar uma pasta com docu­mentos do lado de fora da porta giratória – contou Emanoel ao usar a tribuna nesta terça-feira (15).

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (16)