Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7483 Óbitos: 397
Confirmados Óbitos
Araruama 1452 99
Armação dos Búzios 466 10
Arraial do Cabo 201 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 622 34
São Pedro da Aldeia 1153 50
Saquarema 1122 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
dia

Câmara de São Pedro aprova projeto que institui Dia de Combate a Homofobia

De autoria do vereador Kaká, projeto aguarda sanção do prefeito

29 outubro 2014 - 14h47Por Rosana Rodrigues
 Câmara de São Pedro aprova projeto que institui Dia de Combate a Homofobia

Aprovado no último dia 21 deste mês, o projeto de lei que institui o Dia Municipal Contra a Homofobia em São Pedro da Aldeia, de autoria do vereador José Ricardo Soares Pinheiro, o Káká (PROS), aguarda a sanção ou o veto do prefeito Cláudio Chumbinho (PT) para que a matéria vire Lei Municipal.  Com um voto contrário– do vereador André Luiz Leite dos Santos, o André de Gilson (PSB) –, o projeto passou por duas discussões e recebeu o apoio de seis vereadores. O documento foi encaminhado para o gabinete do prefeito dois dias depois da votação e, com isso, Chumbinho tem até 15 dias, ou seja, o próximo dia 7, para se pronunciar contra ou favor do projeto, de acordo com o Regimento Interno da Casa.

Apesar de a sessão não ter sido considerada polêmica, o vereador André de Gilson se ausentou do plenário durante a segunda votação. No dia, o presidente do Grupo Aldeia Diversidade, Victor Jotha, não conseguiu entender a posição de André:

– O projeto tem somente o objetivo de promover o direito à livre orientação sexual e sensibilizar os aldeenses com relação ao combate a homofobia. O vereador André de Gilson tinha assumido o compromisso de votar favorável, mas mudou de opinião na hora da discus- são, mostrando que não é a favor do combate à homofobia – ressaltou Jotha

O autor do projeto, vereador Kaká, revela que não recebeu críticas de setores mais conservadores da cidade, como a Igreja, por exemplo. Segundo ele, o projeto foi criado desde o governo do ex-prefeito Carlindo Filho – no entanto, nunca entrou na pauta de votação.

– Em conversa com o Victor Jotha, decidimos reformular o projeto porque acho justo que haja um dia exclusivo para ampliar a discussão sobre a homofobia. Se o mundo não tem nada contra esta questão, não sou eu que serei desfavorável. No governo do Carlindo, houve uma pressão do Executivo para que a matéria não entrasse na pauta, mas agora não há qualquer problema. O vereador André de Gilson foi contrário alegando que é evangélico, no entanto, há mais religiosos na câmara – observou Kaká.

 De acordo com o secretário de governo, Edmilson Bittencourt, o prefeito Chumbinho não fez qualquer observação sobre esta questão. Ele acredita que a aprovação do projeto não tenha recebido críticas de setores mais conservadores do município.

– Não sei se os autógrafos do documento já foram enviados para o gabinete e por isso não dá para saber o prazo que o prefeito terá para sancionar ou vetar a proposta – disse o secretário, informando que o prefeito estaria doente e não teria ido à prefeitura, sem condições de comentar o assunto.

A data escolhida para come-morar o Combate a Homofobia será 17 de maio, já que neste dia, em 1990, a Assembléia Mundial da Saúde, órgão máximo de tomada de decisão da Organização Mundial da Saúde (OMS), retirou a homossexualidade da Classificação Internacional de Doenças. Desde então, a data é celebrada internacionalmente como o Dia de Combate à Homofobia, assim como o decreto sancionado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que institui a mesma data como Dia Nacional de Combate a Homofobia.