Assine Já
sábado, 18 de setembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50688 Óbitos: 2057
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6182 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14015 822
Iguaba Grande 5355 134
São Pedro da Aldeia 6830 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cãmara

Câmara de Búzios quer rever taxa de preservação após Carnaval

Cobrança de tarifa fica em vigor até abril

21 fevereiro 2017 - 21h12
Câmara de Búzios quer rever taxa de preservação após Carnaval

O presidente da Câmara de Armação dos Búzios, João Carlos Alves de Souza, o Cacalho (DEM) afirmou ontem que a Casa Legislativa se reunirá após o Carnaval para discutir e, possivelmente, rever a Taxa de Preservação Ambiental (TPA), cuja cobrança está causando polêmica entre moradores e turistas.

De acordo com Cacalho, que faz oposição ao prefeito André Granado (PMDB), as atuais condições da cidade não permitem que seja feita cobrança para visitá-la. Apesar disso, ele afirma que a situação será analisada com cautela e não descarta a realização de uma audiência pública para ouvir a opinião da sociedade civil.

– Búzios está toda largada. Quem vai pagar para entrar num lugar com esgoto a céu aberto e ruas esburacadas? Mas temos que analisar legalmente o que podemos fazer, ver se há alguma brecha. Por enquanto o que há são apenas boatos – argumenta Cacalho.

O projeto que deu origem à lei 1.321, de 16 de fevereiro deste ano, foi aprovado na Câmara no apagar das luzes da última legislatura, em 29 de dezembro. Pela nova legislação, na alta temporada – de 15 de novembro a 15 de abril – serão cobradas seis diferentes faixas de valores (confira no site), dependendo do veículo. O valor arrecadado será destinado ao Fundo Municipal do Meio Ambiente.

Opiniões divididas e polêmica nas redes – Desde que a cobrança do ‘pedágio’ foi anunciada e entrou em vigor, a reação entre os buzianos foi imediata e as opiniões mostraram-se divididas.

A funcionária pública Anny Figueiredo se diz contrária à cobrança da taxa, mas por outro lado considera que, por ‘vias tortas’, a medida acaba incidindo igualmente sobre todos os turistas.

– Penso que não deveria haver cobrança de taxa de ninguém para ingresso no município, porque acaba havendo exclusão social. Por outro lado, já há taxação dos ônibus de excursão, contra a qual sempre me posicionei, porque limita o lazer dos economicamente menos favorecidos. Então, considero que essa nova taxa que atinge a todos, mesmo às avessas, de certa forma iguala os visitantes – pondera.

Já para o jornalista e advogado Hamber Carvalho, a cobrança da taxa é válida, mas existem casos omissos, como o de veículos de fornecedores, que devem ser incluídos na lei.

– A taxa é correta, mas há revisões que precisam ser feitas – diz.

O presidente da Associação de Hotéis (AHB), Héctor Sireira, também é favorável à TPA, desde que os recursos sejam investidos em projetos de desenvolvimento do Turismo. Ele citou casos como o do arquipélago de Fernando de Noronha e de Ouro Preto (MG).

– É uma tendência mundial – diz.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Búzios, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta. Também foi feito contato direto com o prefeito André Granado, mas apesar de assessores terem afirmado que haveria retorno, isso não ocorreu.

*Foto: Búzios.com.br