Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Câmara

Câmara abre o processo que pode levar à cassação de Alair

Pedido será analisado inicialmente pela Procuradoria da Casa

04 fevereiro 2016 - 09h27

A Câmara Municipal de Cabo Frio, por meio do Protocolo Geral, abriu ontem o processo administrativo nº 0023/2016, que se refere ao pedido de cassação de mandato do prefeito Alair Corrêa (PP). No entanto, a apreciação do documento em plenário não é imediata, uma vez que ele ainda será analisado pela Procuradoria Geral da Casa, que julgará a sua procedência.

Depois disso, a Mesa Diretora ainda tem um prazo de 90 dias para colocar em pauta o pedido, que foi protocolado anteontem pelo professor de História e blogueiro Rafael Peçanha, sob a alegação de que o prefeito teria infringido três artigos da Lei Orgânica ao publicar o orçamento deste ano sem as emendas dos vereadores e com percentual de suplementação orçamentária sem necessidade de aprovação do Legislativo acima do permitido por lei (50% em vez de 30%).

Independentemente da tentativa de cassar o mandato do prefeito feita pelo professor, os vereadores se mobilizam para ter suas emendas sancionadas ou vetadas pelo prefeito.

– Eu acho um absurdo o prefeito, arbitrariamente, tomar essa decisão. Como não teremos sessão antes do Carnaval, essa discussão ficará para depois e, caso o prefeito não desconsidere o orçamento e mande outro com as emendas mesmo que vetadas, não terá outra saída a não ser pedir a cassação do prefeito – comentou o vereador Aquiles Barreto (SD).

Mas de acordo com o atual assessor especial da Prefeitura e procurador-geral do município até o mês de janeiro, José Rosival Campos, a situação não é tão simples. 

– O prefeito já enviou comunicado ao Legislativo dizendo a impossibilidade de vetar ou perigosancionar as alterações em razão de que elas não estão incorporadas ao texto do projeto original. A Câmara poderá refazer o que se chama de Redação Final para que então o prefeito novamente possa reavaliar dentro de um prazo de 15 dias úteis se sanciona ou veta – explicou