Assine Já
terça, 27 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
caiçara

Caiçara muda pouco em 40 anos e mantém tradição residencial

Bairro revela forte inclinação comercial em duas das principais vias do local

01 setembro 2014 - 14h52Por Nicia Carvalho|Foto: Johnny Costa
 Caiçara muda pouco em 40 anos e mantém tradição residencial

O cenário mudou. Antes composto por pés de pitanga e caju, além de brejos, muitos brejos, hoje o que se vê, ao caminhar pelas cerca de 20 ruas do bairro Jardim Caiçara, são muitas casas e prédios residenciais. Mesmo tendo mantida a tradição residencial, o bairro revela, ao que parece, forte inclinação comercial em duas das principais vias do local: a Rua Inglaterra e Alemanha. Aliás, os nomes das ruas do bairro são uma curiosidade à parte: a maioria faz referência a países da Europa.

Uma caminhada despretensiosa pelas ruas e é possível encontrar um pouco de tudo: padarias, hortifrutis, lojas de roupas de segmentos variados, informática, principalmente lan houses (parecem febre no bairro!) restaurantes e uma intensa variedade de lanchonetes, além de pequenas lojinhas que fazem o estilo bazar de utilidades. As duas últimas, uma predileção do bairro. No entanto, moradores classificam o Caiçara como um lugar tipicamente residencial.

No meio de tantas características atuais que marcam os moradores do bairro, os brejos, em particular, ocupam uma parte importante da memória afetiva sobre o local. Um exemplo é o barbeiro Ivoney Lessa Vieira, 46, que começou sua história com o bairro aos seis anos. Ao recordar os velhos tempos, enquanto trabalhava ao receber a reportagem, foi impossível conter os risos, que foram compartilhados com antigos clientes e amigos. Dois dos brejos marcaram a época de garoto: onde hoje funciona o 25º Batalhão da Polícia Militar e a Veterinária Cabo Frio.

– Peguei muita rã nestes dois brejos. O bairro mudou pouco nestes anos. A principal mudança mesmo foi o calçamento feito há uns 30 anos, por volta da década de 80. Desde então as mudanças foram poucas. Só o comércio que teve um crescimento mais significativo de uns 10 anos para cá – relembra Ivoney que mora e trabalha no mesmo lugar há 34 anos.

Memórias da construção do bairro

Em paralelo às lembranças infanto-juvenis, Ivoney conta que o bairro, antes de ser loteado, fazia parte de São Cristóvão. Parte da herança comercial o cabo-friense nascido no Itajuru credita à influência do vizinho, que atualmente é o segundo maior centro urbano de Cabo Frio. Segundo ele, o bairro das Palmeiras, do Parque Burle e o próprio Caiçara seguiram um mesmo padrão de urbanização.

– Se prestarmos atenção é possível observar que estes bairros seguem uma padronização. Mas quando tudo começou, lá atrás, nem água tinha direito. Só havia água de poço e uma enorme caixa d’água, que ficava na Rua Noruega – recordou.

Depois da urbanização, no entanto, o reservatório foi removido e o saneamento no bairro foi feito em paralelo com a pavimentação.

– São muitas histórias, como a da Kibon. Uma vez pegou fogo e muitos sorvetes, no pacote, foram dispensados num terreno no início da Rua Inglaterra. Na época, nós fazíamos a festa – conta entre risos, acrescentando que o tio, que ele não quis citar o nome,  e reside no bairro há 50 anos na  Rua Áustria, teria muitas histórias para contar, mas que, com a doença de Alzeimer , os picos de memória são fragmentados.

As lembranças também têm lugar cativo para o comerciante de artefatos de gesso Joacy Neves, 57, que há 28 anos trocou o bairro São Francisco pelo Caiçara para morar e trabalhar.

– Antes do loteamento o bairro foi usado por uns quatro anos como depósito de lixo. Depois, com a doação dos terrenos, assim como foi com São Cristóvão, foi melhorando. As antigas construções, precárias, deram lugar a casas mais estruturadas – relembrou ainda.

Segundo ele, a procura de casas pelos turistas foi um fator importante para a urbanização do Caiçara. Os visitantes compraram terrenos e, com o desenvolvimento do bairro, passaram a construir casas de veraneio.

– Isso fez com que o Caiçara criasse certa fama de bairro de turistas. Ajudou na formação – opinou.

A fama parece ter funcionado com mineiro José Correia da Rocha, 53, conhecido como Zé do Reboque. Natural de Muriaé, veio para Cabo Frio a convite de amigos. De tanto frequentar e gostar do que via, adotou a cidade como lar, na Rua Portugal, há 28 anos, onde também trabalha.

– É um bairro muito bom de morar. Tem tudo que a gente precisa, além de ser tranquilo – contou o comerciante, que dos seis filhos, três e uma neta nasceram em terras cabofrienses.

As oficinas mecânicas são outro traço característico do bairro, que, no entanto, não agradam o aposentado Evaldo Siqueira Mendes, 74, um dos primeiros moradores do Caiçara. Com residência na Rua Espanha há 42 anos, Seu Evaldo acredita que os estabelecimentos atraem gente e carros demais para a via, principalmente nas calçadas.

– É muita confusão e barulho, gosto do bairro mais silencioso. Só nesta rua existem quatro oficinas – contou o ex-dono de farmácia, que após um período de vinte anos no Rio de Janeiro, casou e escolheu Cabo Frio para fixar residência.

– Trabalhei durante um bom tempo em Búzios, mas sempre morei aqui. Era bom quando existiam apenas duas casas no bairro. O resto era tudo valão – relembra ainda o morador.

Reciclagem é o forte de moradores

Junto com a história de formação do bairro, a reciclagem, nos últimos dez anos, vem tomando papel significativo no bairro.

– Recebemos materiais como alumínio, metal, cobre, papelão de muitos moradores. Vem gente até de outros bairros. Depois de reciclados mandamos para o Rio – explicou Aline Rodrigues, que administra o depósito.