Assine Já
sexta, 27 de novembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cadu

Cadu Playboy é preso nesta sexta no Morro do Juramento, no Rio

Traficante é considerado um dos um dos mais importante  chefe do tráfico na Região dos Lagos

07 novembro 2014 - 09h49Por Rosana Rodrigues|Foto: Divulgação
 Cadu Playboy é preso nesta sexta no Morro do Juramento, no Rio
Agentes da Polícia Federal e da Subsecretaria de Inteligência (SSINTE) da Secretaria de Segurança prenderam na manhã de ontem Carlos Eduardo da Rocha Freire Barboza, o Cadu Playboy, apontado como um dos mais importantes chefes do tráfico na Região dos Lagos – de acordo com as investigações, ele controla os pontos de vendas de drogas na comunidade Manoel Corrêa. Cadu Playboy foi preso em flagrante com João Paulo Firmiano Mendes da Silva, conhecido como 'Russão da Mangueira', no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, Zona Norte do Rio. Russão seria o responsável pelos últimos conflitos na Mangueira, inclusive o que resultou na morte de um policial militar, no dia 17 de outubro.
Com eles foram encontrados R$ 350 mil, duas granadas, um tablete de maconha, ecstasy e três pistolas.  Cadu Playboy seria o responsável pelos últimos episódios violentos na cidade, como a ordem para atear fogo em ônibus, no dia da eleição. Já Russão comandava o tráfico na favela da Mangueira (ocupada por uma Unidade de Polícia Pacificadora) e seria o responsável pelos recentes ataques no morro – entre eles o que resultou na morte de um soldado da UPP local, Tiago Rosa Coelho da Silva, alvejado com um tiro nas costas durante tiroteio em 17 de outubro.A mulher de Russão, Ana Carolina Campos, também foi presa na mesma operação.
Cadu Playboy estava foragido da Justiça, já que contra ele também havia mandado de prisão expedido por homicídio qualificado pela morte do segurança Harold Peterson Siqueira Pinto, 31 anos, no dia 5 de maio, no Jacaré, por causa de confronto entre traficantes de facções rivais que disputavam pontos de venda de drogas no local. Cadu já havia sido preso em duas ocasiões. Cadu teria envolvimento com traficantes de drogas da favela da Grota, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio.
A titular da 126ª DP (Cabo Frio), delegada Flávia Monteiro,  esteve na tarde de ontem na sede da superintendência da PF, no Rio, na tarde desta sexta (7) para fornecer mais informações sobre as investigações para o delegado Fabio Andrade, com quem já vinha trocando dados sobre o traficante. 
– Por enquanto, o Cadu tem somente um mandado por homicídio qualificado e esta prisão em flagrante, além de ser suspeito em diversos outros crimes. Realizamos um trabalho intenso de coleta de testemunhas, utilizando as redes sociais, as informações do disque-denúncia e investigação em bloco. É muito gratificante dar mais esta resposta à sociedade de Cabo Frio.
Cadu também chegou a ser preso em setembro do ano passado, após uma perseguição policial com direito a carro capotado. Ele permaneceu detido por sete meses, mas foi inocentado pela Justiça. Na decisão, o juiz Marcelo Martins Evaristo da Silva, da 1ª Vara Criminal, considerou que não havia provas suficientes contra ele.
Segundo as investigações da polícia, Cadu adquiriu, com dinheiro do tráfico, imóveis localizados num condomínio em São Pedro da Aldeia, onde na última sexta-feira, 4, a PM e a Polícia Federal apreenderam três fuzis, sete pistolas, um kit para transformar as armas em submetralhadoras, munição, carregadores de AK-47, celulares, cerca de 150 quilos de cocaína e R$ 350 mil em espécie. Todo o material estava em quatro carros. Os veículos — dois Celtas, um Voyage e um Focus — estavam estacionados na garagem de duas casas de dois andares no Condomínio Cisne Branco. O bandido teria adquirido os quatro imóveis e outros 20 terrenos no condomínio, com dinheiro do tráfico e em nome de laranjas. Uma das residências estaria avaliada em R$ 500 mil.