Assine Já
terça, 22 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
16ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43349 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5211 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11551 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabofrienses

Cabofrienses nos EUA falam sobre a eleição de Trump

Chegada do empresário à Casa Branca foi marcada por discurso contra minorias e imigrantes

11 novembro 2016 - 07h32Por Rodrigo Branco I Foto: Reprodução
Cabofrienses nos EUA falam sobre a eleição de Trump

Durante décadas, a crença de que os Estados Unidos são a ‘terra das oportunidades’ levou milhares de brasileiros a tentarem viver o cha­mado ‘sonho americano’. Essa con­vicção ficou abalada, ou no mínimo estremecida, desde a madrugada da última quarta, quando foi confirma­da a vitória do candidato do Partido Republicano, o empresário Donald Trump, na eleição para presidente do país mais poderoso do mundo.

Com um discurso bastante con­servador, que durante a campanha eleitoral resvalou em declarações homofóbicas, racistas, machistas e, sobretudo, xenófobas, Trump acena com um política de maior protecio­nismo na economia e de mais res­trições para os estrangeiros. Diante disso, os cabofrienses que moram na ‘Terra do Tio Sam’ aguardam o fu­turo nos próximos quatro anos com bastante cautela.

O bacharel em Direito Marce­lo Soares, de 25 anos, mora há um ano no estado de Connecticut, que fica na Costa Leste. Com situação regularizada no país por meio do ‘green card’ – visto permanente de imigração – Marcelo trabalha em uma agência de empregos, na qual a maioria da mão-de-obra recrutada para trabalhos braçais é composta por estrangeiros. Ele teme por quem ainda não tem uma posição estável em solo americano.

– Sou legalizado nos Estados Uni­dos, mas temo pelos que não são e se esforçam por uma vida melhor. Isso é muito mais complexo do que “são ilegais, então devem ser deportados” – pondera.

Já Rafael Ferreira, que trabalha como professor de Inglês em Nova Jérsei, acredita que a situação não vai mudar. Prestes a obter a cidada­nia norte-americana por ser filho de brasileira casada com um ianque, Rafael relata que os brasileiros não são vistos como concorrentes, uma vez que os locais dispensam os ser­viços mais pesados.

– Imigrante aqui faz serviço que americano não quer fazer. Não tem americano trabalhando em faxina, nem peão de obra. Não porque não tem vaga – atesta.

Se não chega a despertar o dese­jo de volta para casa dos brasileiros que vivem nos States, o triunfo do bilionário falastrão adiou os planos de quem pretendia se mudar para a América do Norte, caso do empresá­rio Ramon Bock. Ele e o marido, que vivem no Rio, planejavam a viagem há sete meses e já tinham vendido toda a mobília.

– Estamos analisando. Foi um bal­de de água fria e praticamente adiou a ida, pois teremos mais problemas de legalização com ele no poder. Aí teremos que juntar mais dinheiro – alega o empresário, que viveu anos em Cabo Frio.

Até mesmo os aspectos econômi­cos da eleição de Trump têm causado suspense. Imediatamente à sua vitó­ria, o mercado reagiu e o dólar tu­rismo disparou chegando a R$ 3,44. O dono da Koala Turismo, Piero Ro­cha, tenta manter a tranquilidade.

– Com relação a emissão dos vis­tos, acho que nada vai mudar. Já com relação ao dólar, claro quer inicial­mente dá um impacto, mas quem quer mesmo viajar tem que se plane­jar com o dólar a R$ 3 ou R$ 4 – diz o empresário.