Assine Já
sábado, 05 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 13221 Óbitos: 567
Confirmados Óbitos
Araruama 2625 126
Armação dos Búzios 1500 22
Arraial do Cabo 427 21
Cabo Frio 3925 183
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 2010 79
Saquarema 1537 95
Últimas notícias sobre a COVID-19
Rigor é questionado

Cabo Frio: Sindicatos e vereador vão confrontar secretaria de Saúde por não liberar servidores de grupo de risco

Profissionais foram chamados de volta ao trabalho e precisam passar pela avaliação de junta médica para cumprir quarentena em casa, conforme denunciou a Folha

10 abril 2020 - 16h32Por Rodrigo Cabral
Cabo Frio: Sindicatos e vereador vão confrontar secretaria de Saúde por não liberar servidores de grupo de risco
A rigidez da secretaria de Saúde de Cabo Frio para liberar os servidores que fazem parte do grupo de risco para o coronavírus será confrontada nos próximos dias por sindicatos e pelo vereador Rafael Peçanha, líder da oposição na Câmara. O fato veio à tona em reportagem da Folha dos Lagos, que mostrou que, por determinação do secretário Iranildo Campos, todos os funcionários da pasta precisam se submeter à avaliação de uma junta médica para conseguir o afastamento, mesmo aqueles que têm mais de 60 anos e, também, os portadores de doenças crônicas e autoimunes. Uma determinação do prefeito Adriano, do dia 17, liberou este grupo de profissionais para cumprimento da quarentena em casa, à exceção de médicos e enfermeiros.
 
O Sindicato Sindicato dos Profissionais da Saúde de Cabo Frio (SindSaúde) e o Sindicato dos Servidores de Cabo Frio (Sindcaf) vão encaminhar, na segunda-feira (13), ofício para o secretário Iranildo solicitando a liberação dos servidores que fazem parte do grupo de risco.
 
– Simplesmente, determinaram a volta desse pessoal. Estão passando por cima de determinações municipais, federais. É uma falta de trato com a situação – comenta Gelcimar Almeida, o Mazinho, presidente do SindSaúde, que esteve reunido nesta sexta-feira (10) com o presidente do Sindcaf, Fábio Claudino, para tratar do assunto.
 
Para Mazinho, a junta médica deve avaliar apenas os casos de médicos e enfermeiros.
 
– Soube que uma auxiliar de 67 anos, com problemas cardiológicos, foi chamada para voltar ao serviço. Ela não é profissional de Saúde, está dentro do grupo de risco e o secretário manda voltar – protesta o sindicalista.
 
Na Câmara, o vereador Rafael Peçanha disse que vai tomar três medidas: propor decreto legislativo para sustar os artigos dos decretos executivos que deixam todos os servidores da Saúde de prontidão para trabalho presencial; propor indicação para que o prefeito publique decreto proibindo que servidores com mais de 60 anos cumpram suas jornadas presencialmente; e propor ao SindSaúde que entre com ação coletiva na Justiça do Trabalho, como fez o sindicato do estado de São Paulo.
 
– Se as três ações não derem certo, vou ao MP – avisou.
 
"Não dormi à noite pensando em como vou ficar se eu não passar nessa perícia"
 
O principal temor dos trabalhadores que conversaram com a reportagem, sob condição de anonimato, é o de ficar mais expostos à doença, num momento em que a epidemia começa a se agravar. Portadora de uma doença autoimune, uma funcionária relatou que a passou a noite de terça-feira (7) em claro por conta do medo de exposição. O caso dela será avaliado pela junta médica.
 
– Não dormi à noite pensando em como vou ficar se eu não passar nessa perícia e ter que ir trabalhar.
 
Outra servidora também contou que a sensação de temor se espalha entre a equipe.
 
– Doenças crônicas estão ativas durante a vida do paciente portador da mesma, apresentando ou não sintomas e sinais, podendo se tornar aguda a qualquer momento. Talvez o secretário da pasta, por não ser médico, não saiba disto. Se nenhuma medida for tomada, os funcionários da saúde serão os mais afetados pela virose, o que já acontece em todos os países, mesmo não sendo doentes crônicos.
 
A filha de uma servidora, que é idosa e tem hipertensão, disse que a mãe está em "pânico".
 
– Ela está desesperada e morrendo de medo de contrair o covid-19.
 
Questionado sobre o assunto, o secretário Iranildo Campos confirmou que a decisão partiu dele, mas negou que haja ‘rigor’ na medida. Segundo ele, a determinação foi dada porque funcionários ‘se aproveitam da situação’ para pedir dispensa.
 
– O que fizemos, e é legal, é que acima de cinco dias de atestado, e isso foi decisão minha, que o funcionário apresente o boletim de atendimento. Porque tem uns que apanham atestado. Pede dispensa de dez dias para o médico, que às vezes é amigo. Diz que está com uma dor no ombro. Na junta médica, tem um que é especialista. Aí ele pergunta se está com dor, e a pessoa responde que está com uma ‘dorzinha’. Se ficar constatada alguma coisa, ele vai ser afastado; se estiver apto, vai ter que trabalhar. Isso é apertar um pouquinho, não é ser rígido como denunciaram. Se a gente começa a aceitar todo mundo, a gente vai ficar sem médico, enfermeiro e auxiliar de enfermagem para trabalhar – argumenta.
 
Foram designados para a junta médica os seguintes profissionais: Roberto Pillar, que é ex-secretário de Saúde, Tatiana Vieira e Eliane Donner Drummond.
 
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.