Assine Já
terça, 07 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53859 Óbitos: 2198
Confirmados Óbitos
Araruama 12575 449
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15647 903
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7057 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
DERRETEU 

Cabo Frio prevê queda de 73 milhões na receita financeira para 2021

Quem assumir novo mandato terá que lidar com dívida pública de R$ 505 milhões

05 outubro 2020 - 19h21Por Rodrigo Branco

O primeiro ano do próximo mandato de prefeito de Cabo Frio promete ser difícil. Em meio a um cenário de pandemia de Covid-19, a Secretaria Municipal de Fazenda projetou uma redução de R$ 73 milhões (7,6%) na arrecadação do município para o ano que vem. A previsão de receita para este ano é de R$ 956 milhões, enquanto que, para 2021, os estudos da Prefeitura apontam que o total de R$ 883 milhões entrará nos cofres cabo-frienses. 

Apenas com as transferências constitucionais, de estado e Governo Federal, o município deve receber R$ 217,9 milhões e de Fundo da Educação Básica (Fundeb), R$ 43,5 milhões. A meta fiscal está estipulada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), publicada pelo prefeito Adriano Moreno (DEM) no último dia 30 de setembro.

A receita primária prevista pelo município – recursos provenientes de impostos, transferências do estado e da União e royalties – será de R$ 879 milhões, enquanto as despesas primárias serão de R$ 866,9 milhões. A diferença positiva (superávit) projeto será de R$ 12 milhões. O cenário leva em conta um crescimento de 2,5% no PIB brasileiro; o real equivalente a cinco dólares; inflação entre 3,75% e 4,25% e taxa de juros Selic a 4,25%.

Além disso, a projeção da receita e da despesa total considerou o comportamento da arrecadação e da execução orçamentária nos últimos três anos. Foi observando ainda as receitas correntes com recursos vinculados ao Fundeb, Educação (25%); Saúde (15%); SUS, Sistema único de Assistência Social, convênios e royalties do petróleo.

Outro problema que enfrentará a próxima gestão, seja ela qual for, é o passivo do município, situação que gera inclusive bloqueios judiciais. Segundo a LDO 2021, a dívida pública consolidada é de R$ 505,1 milhões, enquanto a dívida consolidada líquida é de R$ 561,3 milhões. 

Em relação ao Ibascaf, Instituto de Previdência do servidor municipal, a situação também está longe de ser tranquila. Projeções referentes ao Fundo Financeiro Previdenciário (FFP), aponta que as receitas para 2021 serão de R$ 27,7 milhões; enquanto as despesas serão de R$ 77,6 milhões. Resultado no vermelho de R$ 49,8 milhões. Contando com as dívidas dos anos anteriores, o saldo negativo chega a  R$ 219,3 milhões.

De outro lado, pelo Fundo Financeiro Capitalizado (FPC) do Ibascaf, o resultado vislumbrado é positivo. A previsão de arrecadação previdenciária para o ano que vem é de R$ 20,8 milhões e de despesas é de R$ 3,3 milhões. O superávit previsto é de R$ 17,4 milhões. No acumulado, o montante é de R$ 87 milhões.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.