Assine Já
domingo, 26 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MP

Cabo Frio pode ficar sem Ensino Médio

Recomendação do MP pede transferência para responsabilidade do Estado do Rio

15 outubro 2015 - 09h30Por Gabriel Tinoco

Professores e estudantes da rede pública se indignaram com a recomendação do Ministério Público, expedida nesta quarta-feira (14), para que Cabo Frio passe o Ensino Médio ao Estado do Rio de Ja­neiro. O objetivo é fazer com que o governo priorize as obrigações com a educação infantil e com o Ensino Fundamental, seguindo as metas estabelecidas pelo Pla­no Nacional de Educação. A 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva do Núcleo Cabo Frio sugere que as negociações com o Estado para a transferência seja retomadas em até 30 dias.

– Seremos (estudantes) contra isso com certeza. É precarizar a educação pública mais do que ela está precária hoje. As condi­ções que vivemos são cada vez piores, trabalhadores ficam sem receber, cortes na alimentação, falta de material, atraso de pa­gamento de verbas do colégio. Para se ter ideia, no Rui Barbosa falta folha e material de limpe­za. Temos uma educação esta­dual baseada na meritocracia. Ainda há o anúncio da retirada do ar condicionado, o que vai transformar a sala de aula em ‘saunas de aula’. Além da péssi­ma condição dos estudantes, os professores são mal remunera­dos e falta democracia na Rede Estadual. Não tem eleição para diretor, nem livre circulação das entidades estudantis. Assim que, de fato, vermos que isso é con­creto, vamos virar o Rui Barbosa ao avesso e mostar que os estu­dantes querem continuar no En­sino Médio municipal – garante o diretor de movimentos sociais da Associação dos Estudantes do Estado do Rio de Janeiro (Aerj), Ruan Vidal.

A professora do Rui Barbo­sa, Denize Alvarenga, afirma que não há obrigatoriedade da transferência de responsabilida­de ao Estado.

– Há algumas esferas que in­dicam que o Governo do Estado deve cuidar do Ensino Médio, mas não há nenhum impedimen­to para que o governo aja fora dessas esferas. Tanto que o Pe­dro Segundo é um colégio fede­ral e trabalha com educação in­fantil. Não existe proibição. Mas, sim, uma tendência para seguir.

Denize Alvarenga ainda ques­tiona o não cumprimento de ou­tras recomendações do Ministé­rio Público.

– Agora, o governo sofre essa mesma pressão para con­vocar concursos. Ele faz? Não. Se acabar o Ensino Médio por aqui, quanto economizaremos? A arrecadação anual de Cabo Frio para a Educação é enorme. O Ensino Médio não representa nem 3% desse orçamento. É um valor irrisório, que não vai resol­ver a crise. Querem nos asfixiar, mas não vão conseguir. A mo­bilização da sociedade é muito grande. O prefeito não foi para a televisão e assumiu compro­misso que o governo dele não fecharia o Ensino Médio. Se ele ouvir essa orientação, quero ver se ele ouvirá outras como concurso público para todas as vagas ou transparência dos dados do governo. O prefeito está muito obediente – dispara a professora.