Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7654 Óbitos: 398
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 627 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Cabo Frio lidera lista de devedores públicos à União

Segundo Procuradoria-Geral da Fazenda, débito ultrapassa os R$194 milhões

28 julho 2017 - 08h22Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Cabo Frio lidera lista de devedores públicos à União

As cidades da Região dos Lagos ocupam posição de des­taque – obviamente, negativo – na lista dos entes públicos do Estado do Rio que mais devem ao Governo Federal. Cabo Frio ocupa a liderança absoluta ao estar pendente do pagamento de R$ 194.891.574,89 junto à União. O segundo colocado, bem distante, é a Empresa Mu­nicipal de Urbanização do Rio de Janeiro (Rio Urbe), que deve R$ 118,7 milhões ao Erário.

No entanto, o município tem a companhia ilustre das vizi­nhas Arraial do Cabo e Araru­ama, ambas também figurando no ‘top 10’ dos devedores. Ar­raial está na quarta posição do ranking, logo atrás do municí­pio de Nova Iguaçu, ao dever R$ 57.888.685,35. Araruama está duas colocações abaixo (sexta) com dívidas de R$ 35.883.180,01.

Os dados são da Procurado­ria-Geral da Fazenda Nacio­nal (PGFN), disponíveis para o público no Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC). No caso de Cabo Frio e Araruama, os valores referem-se somente a débitos previdenciários,  enquanto que para Arraial, também estão incluídas dívidas tributárias e com o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Se for levado em conta o ‘pendura’ junto à Receita Fede­ral, de R$ 276 milhões, o bu­raco em que se encontra Cabo Frio é muito maior. Com ele, a pendência do município junto ao Governo Federal chega a R$ 470 milhões, segundo o secretá­rio de Fazenda, Clésio Guima­rães. A dívida com a Receita já foi refinanciada como prevê a Medida Provisória 783, mas os R$ 194 milhões restantes foram ajuizados e ainda estão em re­negociação. Clésio espera que esse valor também seja equa­cionado pelo Refis, já no mês que vem.

– A gente está trabalhando ponto a ponto, passo a passo. Nossa prioridade é pagar o pes­soal. Pagar o do mês e, na me­dida do possível, os atrasados. Mas para esse falta muito pouco. O fato é que conseguimos avan­çar e não retroagir ou ficar estag­nados. Até o fim do ano, vamos alcançar a normalidade e deixar a cidade em dia – explica Clésio, descartando recursos para gran­des obras e investimentos.