Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Sessão

Cabo Frio é homenageada e ganha aplausos na Alerj

Sessão solene no Rio parabeniza ícones da cidade às vésperas dos 400 anos de fundação

12 novembro 2015 - 09h51Por Rodrigo Branco

Em tempos de crise e protes­tos, uma noite emocionante e de resgate do orgulho por uma his­tória rica e secular. Às vésperas da celebração do quarto centená­rio, Cabo Frio teve a unanimida­de dos aplausos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, que destinou uma sessão solene para homenagear a cidade.

O ex-craque Leandro, do Fla­mengo e da Seleção Brasileira, e o poeta Victorino Carriço (in memoriam), por meio dos seus familiares, receberam anteontem a Medalha Tiradentes, a maior comenda do Estado do Rio de Ja­neiro. A paróquia Nossa Senhora da Assunção, que também com­pleta 400 anos em 2015, ganhou moção de aplausos, entregue ao padre Marcelo Chelles. O Coral Cantavento da Ferlagos também foi homenageado.

Aproximadamente 60 pessoas de Cabo Frio e Arraial do Cabo foram em caravana à solenidade e aplaudiram efusivamente os homenageados. A filha de Victo­rino, a colunista da Folha, Ercília Carriço Porto, fez um comovente discurso de agradecimento e foi ovacionada no plenário da Alerj.

– Dedico a todos da família Carriço essa importante medalha Tiradentes, que me foi entregue ontem pelo deputado Janio Men­des na Alerj, em homenagem ao meu pai, em emocionante e linda cerimônia – publicou, ontem, em sua conta no Facebook.

Também presente à homena­gem, o músico Junior Carriço, neto de Victorino, celebrou o fato da obra do ‘Santinho’ ser reco­nhecida mesmo fora da região.

– Senti imenso orgulho de ver a obra de Carriço chegando a lu­gares inesperados, a celebração de sua introspecção transformada em Hino e seus versos chegando longe e levantados como bandei­ra pelos que estavam na Alerj. E dizendo de peito aberto: “Fo­rasteiros não há forasteiros, pois nessa terra todos são iguais”. Esse verso é uma medalha levada por cada cabofriense – comentou Junior, em alusão a um dos prin­cipais poemas de Victorino.

Por sua vez, Leandro, que atuou no Flamengo, entre 1979 e 1990, e na Seleção, durante a Copa do Mundo da Espanha, em 1982 recebeu sua comenda dian­te de um plenário cheio e empol­gado, como nos tempos em que entortava marcadores no grama­do do Maracanã. O ‘Peixe Frito’, como o ex-atleta rubro-negro é conhecido, também foi prestigia­do por amigos e parentes numa autêntica noite de gala.