Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
buscas piloto

Buscas por piloto desaparecido são ampliadas para Cabo Frio e Arraial do Cabo

06 agosto 2016 - 09h52
Buscas por piloto desaparecido são ampliadas para Cabo Frio e Arraial do Cabo

Já são onze dias de buscas incessantes pelo capitão de corveta Igor Bastos, que caiu no mar de Saquarema quando a aeronave que pilotava em 26 de julho colidiu em outra durante treinamento. Ele se ejetou, mas a cada dia as suspeitas de que tenha ficado preso no caça crescem. O caso se tornou um mistério para a Marinha do Brasil, que lidera as buscas com homens da Capitania dos Portos, Bombeiros e Força Aérea. Isso porque duas rodas de pouso apareceram em locais distintos e distantes. Um na Praia Grande, na altura de Massambaba, em Arraial do Cabo, e outro na Praia do Peró, em Cabo Frio. Desde então, o raio de patrulhamento foi aumentado.

O comandante da Capitania dos Portos, o capitão-tenente Jonas de Oliveira, admite que a cada dia as buscas ficam mais difíceis, mas informa que o trabalho não cessa. Duas motos aquáticas da Capitania e três barcos – um da Capitania e dois da Marinha percorrem as Ilhas de Arraial.

– Um minuto de voo dessa aeronave é muita coisa e ela pode ter percorrido uma grande distância neste tempo. As rodas tem a marcação da aeronave e por terem aparecido em cidades diferentes, ampliamos o raio das buscas – informou Jonas.

Outro fator que dificulta ainda mais as buscas, que são feitas até mesmo com o uso de navio sonda, é que o caça AF-1 Skyhawk, por se tratar de uma aeronave de guerra (a Marinha, inclusive, adquiriu 23 unidades do modelo depois da Guerra do Golfo) não tem caixa-preta ou qualquer localizador. A operação-treinamento era justamente para fugir do radar, já que, em guerras, nenhuma operação destas deve ser rastreada.

Leia a matéria completa no jornal impresso ou na área exclusiva para assinantes. Assine a Folha por apenas R$ 19,90.