Assine Já
terça, 27 de julho de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 45921 Óbitos: 1853
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12520 751
Iguaba Grande 4746 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4166 218
Últimas notícias sobre a COVID-19
tapa buracos

Buracos multiplicam-se por Cabo Frio

Problema gera irritação a motoristas, que contabilizam prejuízos; prefeitura promete tapa-buracos para agosto

29 julho 2019 - 20h37Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Buracos multiplicam-se por Cabo Frio

O profissional de vendas Jorge Luiz Garcia Magalhães está com o carro parado na garagem há dois meses, mas não tem pressa em colocá-lo para rodar novamente pelas ruas de Cabo Frio. O veículo ficou fora de circulação após as seguidas passagens pelas esburacadas ruas do Jardim Caiçara, bairro onde mora. A rotina castigou a parte inferior do veículo e causou um prejuízo que chega a R$ 2,5 mil, incluindo as despesas com a suspensão, amortecedores, coifas e o cárter do motor.

O caso de Jorge está longe de ser isolado. As reclamações dos motoristas multiplicam-se na mesma velocidade em que surgem as crateras. O problema é ‘democrático’: acontece das áreas tidas como mais valorizadas, como as que ficam nas proximidades da Praia do Forte, até o Jardim Esperança e Tamoios, embora nas áreas mais distantes do Centro, os transtornos sejam considerados piores. Em alguns locais, os buracos são sinalizados com galhos de árvore e outros objetos para chamar a atenção de quem trafega. Para tentar resolver o problema, a Prefeitura de Cabo Frio anunciou ontem a realização de uma grande operação tapa-buraco a partir já desta semana, para durar todo mês de agosto (veja abaixo).

– Não irei consertar o carro enquanto não consertarem pelo menos 60% dos buracos da cidade – disse Jorge, que também reclama das condições de rodovias estaduais como a RJ-106.

Para quem fica horas ao volante, como os motoristas profissionais, a rotina é de sustos e de meter a mão no bolso frequentemente para trocar alguma peça ou mesmo alinhar e balancear o automóvel. Poucos são os que não tem alguma história para contar envolvendo os percalços provocados pela irregularidade no asfalto das vias cabo-frienses.

Josemário Moreira, conhecido como ‘Baiano do Táxi’ é presidente do Sindicato dos Taxistas da cidade e tem um programa na Rádio Litoral onde relata as agruras dos motoristas de praça que precisam se aventurar pelas ruas desgastadas, escuras e mal sinalizadas da cidade para garantir o sustento. Ele mesmo teve que desembolsar recentemente R$ 2 mil para trocar dois amortecedores, dois pneus, pivô e bucha da balança. Ele diz que, com as corridas minguadas, é preciso trabalhar praticamente um mês inteiro para cobrir a despesa. Ele cobra mais atenção da prefeitura.

– Falo sempre que a Secretaria de Obras tem que ir pra rua. São muitos buracos na cidade, a cidade não tem sinalização. Com o dinheiro que pagamos de impostos é pra fazer recapeamento em toda a cidade. Não adianta fazer no Centro e largar os bairros periféricos. Vejo que o trabalho não está sendo feito como deveria. Uma coisa que eu vejo é que não é só jogar o asfalto por cima. Tem que raspar o asfalto velho todo para não dar infiltração. Por isso que toda chuva que dá o buraco abre de novo – diz, criticando a qualidade das operações ‘tapa-buraco’ já feitas pela prefeitura, nas quais ele diz usarem areia e terra. 

O motorista de aplicativo Cleiton Silva fala que a situação gera riscos por causa do ziguezague que é preciso fazer no meio da rua, por causa dos buracos. Muitas vezes, é preciso escolher o ‘menos pior’ para passar por cima.

 – Na rua do batalhão da PM (Rua Inglaterra, no Jardim Caiçara), você não consegue andar 50 metros sem se deparar com um buraco. Está tudo esburacado. Você fica com o carro pra lá e pra cá. Outro lugar que está terrível para andar é na subida da ponte Wilson Mendes. É uma buracada desgraçada, fora outros locais, como nas avenidas principais. Escolhe o buraco ‘mais bonito’ pra cair. Não tem como tirar as quatro rodas do buraco – ironiza.

Duas rodas a menos, perigo em dobro. O motociclista Mateus Batista diz que a situação fica pior quando chove. Segundo ele, a iluminação deficiente piora a situação.

– Às vezes a falta de iluminação impede que a gente enxergue os buracos. Especialmente em dia de chuva. Quando tem buraco debaixo de uma poça d’água então, pior ainda – alerta.

Normalmente, uma situação como essa seria motivo de sorrisos para quem trabalha com peças automotivas, principalmente pneus e itens de suspensão, mas o empresário Magno Quintanilha, da tradicional loja Magnauto, solidariza-se com aqueles que vivem a desventura de assumir uma despesa que é, muitas vezes, inesperada. Ele conta que, a loja atende, em média, 50 veículos por mês com problemas decorrentes de incidentes envolvendo os buracos da cidade. O valor médio de um reparo completo, incluindo troca de peças, alinhamento e balanceamento, depende do modelo do veículo.

– Isso é complicado. A cidade está cheia de buracos e aí é problema de pneu, é suspensão, são terminais axiais. Pra mim é bom porque eu vendo, mas eu não queria isso. Prefiro uma cidade tranquila, sem buraco, com todo mundo contente – disse, ressaltando que problemas causados pelos buracos não estão cobertos pela garantia.

Prefeitura vai realizar operação tapa-buracos durante o mês de agosto 

Ciente do grande número de reclamações sobre os buracos na cidade, a Prefeitura de Cabo Frio anunciou ontem que a Secretaria de Obras vai tocar uma operação tapa-buracos nas ruas da cidade durante todo o mês de agosto. 

Os serviços abrangem diversos bairros como São Cristóvão, Jardim Caiçara, Passagem, Manoel Corrêa, Portinho, Jardim Esperança, Jardim Olinda, Jacaré e no segundo distrito, em  Tamoios.

O governo municipal disse ainda que outros bairros poderão ser incluídos na operação conforme solicitação da população. A sede da Secretaria de Obras fica na rua Florisbela Rosa da Penha, 292, no bairro Braga, no prédio da antiga sede da prefeitura. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

Além da recomposição do pavimento das ruas e calçadas, as manilhas de drenagem pluvial serão substituídas. Este tipo de manilha faz parte do sistema de drenagem do município que permite o escoamento da água em períodos de chuva.

As intervenções começaram no início do mês nos bairros Praia do Siqueira, Manoel Corrêa, Jardim Esperança, Cajueiro, Peró, Ogiva e na Avenida Teixeira e Souza, totalizando cerca de 500 metros de manilhas substituídas, além da manutenção do asfalto.

O assessor especial da Secretaria de Obras, Eduardo Leal, falou sobre a necessidade de fazer a troca das manilhas, uma vez que, em muitos casos, o problema está diretamente ligado ao surgimento de novos buracos na cidade.

 – As manilhas antigas estavam prejudicando, impedindo o escoamento das águas pluviais e provocando o afundamento no asfalto. Nosso trabalho tem o intuito de oferecer melhores condições de mobilidade e segurança para a população – conclui.