Assine Já
sexta, 27 de novembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11817 Óbitos: 538
Confirmados Óbitos
Araruama 2355 117
Armação dos Búzios 1070 16
Arraial do Cabo 388 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1107 40
São Pedro da Aldeia 1801 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
política

Boca de urna ainda acontece, mas perdeu importância

Especialista afirma que prática proibida continua acontecendo, mas vê efetividade reduzida nos últimos anos

02 outubro 2016 - 15h49
Boca de urna ainda acontece, mas perdeu importância

Apesar de ser proibida pela legislação eleitoral, a prática de fazer propaganda de candidatos próximo aos locais de votação, chamada boca de urna, ainda é registrada nas eleições. Mas, na avaliação do cientista político Leonardo Barreto, especialista em comportamento eleitoral, a boca de urna perdeu importância nos últimos anos, porque poucas pessoas deixam para escolher o seu candidato na última hora.

“Hoje temos pesquisas que mostram que o percentual de pessoas que deixam para escolher seus candidatos em cima da hora é algo em torno de 10% dos eleitores. A maior parte das pessoas já vão sabendo, muitas vezes vão indecisas, mas não é que elas não tenham ideia, às vezes estão com dois candidatos na cabeça”, disse.

Além disso, a boca de urna pode não ser tão efetiva para a decisão dos eleitores, segundo Barreto. “O eleitor que vai sem saber o que fazer pode até votar em quem está fazendo boca de urna, mas pode também pegar um santinho no chão, pode encontrar uma pessoa na fila. É muito aleatório, não tem um nível de controle”, disse. Para ele, o principal objetivo da proibição da propaganda no dia da eleição é organizar o pleito e evitar a violência e o confronto entre os candidatos e eleitores.

Para Barreto, o rigor na fiscalização reduziu bastante a prática de boca de urna, até mesmo com o apoio dos próprios eleitores, que agem como fiscais. “Hoje ficou muito mais complicado fazer boca de urna, e reduziu bastante por causa dessa capacidade de fiscalização que todo mundo tem atualmente”, avalia.

Por outro lado, a cientista política da Universidade Federal de São Carlos (UFScar) Maria do Socorro Sousa Braga avalia que a prática da boca de urna pode influenciar no voto dos eleitores que acabam decidindo seu candidato no caminho entre sua casa e a seção eleitoral. “É uma fatia menor, mas sempre é uma intervenção, por isso que a lei coíbe essa prática. E ainda tem muito [boca de urna], principalmente em regiões com menor controle. Isso acaba afetando o resultado eleitoral em algumas cidades”, avalia.

De acordo com a Lei das Eleições, arregimentar eleitores ou fazer propaganda de boca de urna no dia da eleição é crime, com punição de detenção de seis meses a um ano. A legislação permite, no dia do pleito, a manifestação individual e silenciosa da preferência do eleitor, com uso de bandeiras, broches e adesivos.

Nas eleições municipais que estão sendo realizadas neste domingo (2) em todo o país, 21 candidatos e 142 eleitores já foram presos em flagrante por cometer alguma irregularidade, como divulgação de propaganda proibida e boca de urna.

Fonte: Agência Brasil