Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8374 Óbitos: 431
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
biblioteca

Biblioteca de Cabo Frio volta a funcionar em espaço provisório

Alex Tavares|Fotos: Johnny Costa

14 outubro 2014 - 10h56
 Biblioteca de Cabo Frio volta a funcionar em espaço provisório

Já está em funcionamento o espaço provisório da Biblioteca Municipal de Cabo Frio. O local escolhido para abrigar parte do acervo durante a reforma do prédio histórico foi a galeria do edifício Shopping Grand Maison, localizado na Avenida Júlia Kubitscheck, próximo ao Terminal Rodoviário Alexis Novellino.

De acordo com José Facury, secretário de Cultura do município, o projeto de restauração do Solar dos Massa, prédio do século XVIII que abriga a Biblioteca Municipal Professor Walter Nogueira, no Centro, já está em fase de licitação. A expectativa é que o prédio volte a funcionar até o final do próximo ano, mas apenas com as obras raras e referentes à Cabo Frio. As demais publicações devem ocupar um espaço cultural que será criado no bairro de São Cristóvão.

– As quatro lojas que alugamos não foram suficientes para abrigar os 32 mil livros que possuímos, mas nem mesmo o Solar dos Massa atende nossa demanda. Disponibilizamos 12 mil títulos nessa biblioteca provisória, levando em consideração as obras que são mais procuradas pelo público. Para que o prédio histórico possa oferecer maior conforto aos nossos leitores quando for reaberto, decidimos dividir nosso acervo. As obras raras, sobre a história de Cabo Frio e de autores cabofrienses como Teixeira e Sousa, Waldemir Terra Cardoso e Victorino Carriço, continuarão no Solar dos Massa, enquanto os outros títulos serão levados para um espaço cultural que será criado em frente a Praça Alfredo Castro, em São Cristóvão, em um terreno que pertencia a Igreja Metodista – detalhou.

José Facury revelou ainda que o processo licitatório da reforma do prédio histórico vem sofrendo um pequeno entrave por falta de mão de obra especializada.

– Por se tratar de um imóvel colonial, é preciso que toda a equipe seja especializada nesse tipo de arquitetura. Estamos com muita dificuldade para encontrar uma assessoria que atenda nossa necessidade. É preciso muito cuidado para trabalhar em um imóvel desse tipo. Tudo tem que ser feito de forma minuciosa. Os problemas mais visíveis são na parte elétrica, vazamentos e infiltrações, além do risco iminente da queda de parte do forro e do telhado. No entanto, só teremos a real noção de tudo que precisará ser feito quando os trabalhos começarem. As obras devem começar ainda esse ano e a previsão de entrega é para o segundo semestre de 2015 – finalizou.