Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
biblioteca

Biblioteca de Cabo Frio volta a funcionar em espaço provisório

Alex Tavares|Fotos: Johnny Costa

14 outubro 2014 - 10h56
 Biblioteca de Cabo Frio volta a funcionar em espaço provisório

Já está em funcionamento o espaço provisório da Biblioteca Municipal de Cabo Frio. O local escolhido para abrigar parte do acervo durante a reforma do prédio histórico foi a galeria do edifício Shopping Grand Maison, localizado na Avenida Júlia Kubitscheck, próximo ao Terminal Rodoviário Alexis Novellino.

De acordo com José Facury, secretário de Cultura do município, o projeto de restauração do Solar dos Massa, prédio do século XVIII que abriga a Biblioteca Municipal Professor Walter Nogueira, no Centro, já está em fase de licitação. A expectativa é que o prédio volte a funcionar até o final do próximo ano, mas apenas com as obras raras e referentes à Cabo Frio. As demais publicações devem ocupar um espaço cultural que será criado no bairro de São Cristóvão.

– As quatro lojas que alugamos não foram suficientes para abrigar os 32 mil livros que possuímos, mas nem mesmo o Solar dos Massa atende nossa demanda. Disponibilizamos 12 mil títulos nessa biblioteca provisória, levando em consideração as obras que são mais procuradas pelo público. Para que o prédio histórico possa oferecer maior conforto aos nossos leitores quando for reaberto, decidimos dividir nosso acervo. As obras raras, sobre a história de Cabo Frio e de autores cabofrienses como Teixeira e Sousa, Waldemir Terra Cardoso e Victorino Carriço, continuarão no Solar dos Massa, enquanto os outros títulos serão levados para um espaço cultural que será criado em frente a Praça Alfredo Castro, em São Cristóvão, em um terreno que pertencia a Igreja Metodista – detalhou.

José Facury revelou ainda que o processo licitatório da reforma do prédio histórico vem sofrendo um pequeno entrave por falta de mão de obra especializada.

– Por se tratar de um imóvel colonial, é preciso que toda a equipe seja especializada nesse tipo de arquitetura. Estamos com muita dificuldade para encontrar uma assessoria que atenda nossa necessidade. É preciso muito cuidado para trabalhar em um imóvel desse tipo. Tudo tem que ser feito de forma minuciosa. Os problemas mais visíveis são na parte elétrica, vazamentos e infiltrações, além do risco iminente da queda de parte do forro e do telhado. No entanto, só teremos a real noção de tudo que precisará ser feito quando os trabalhos começarem. As obras devem começar ainda esse ano e a previsão de entrega é para o segundo semestre de 2015 – finalizou.